2TM, dona do Mercado Bitcoin, demite 90 funcionários - Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

A 2TM, dona do Mercado Bitcoin, anunciou nesta quarta-feira, 1º, o corte de cerca de 90 dos seus 750 funcionários. Conforme a empresa, o objetivo é reduzir as despesas para enfrentar “a mudança no panorama financeiro global”.

A companhia diz que essas alterações nas condições macroeconômicas impactaram principalmente as empresas de alto crescimento no setor de tecnologia, de modo que o 2TM precisará buscar uma nova equação de crescimento e investimento.

“O cenário exigiu ajustes que vão além da redução de despesas operacionais, tornando-se necessário também o desligamento de parte de nossos colaboradores. O processo que realizamos foi pautado pela transparência e respeito, de modo a honrar o legado de cada colaborador que nos ajudou a chegar até aqui”, escreveu a companhia no comunicado.

Outras empresas de tecnologia e criptomoedas também estão seguindo a tendência. Os unicórnios brasileiros Loft e Quinto Andar foram as primeiras a demitir. No mercado cripto, a corretora mexicana Bitso e a argentina BuenBit também anunciaram cortes. Nos Estados Unidos, a Robinhood anunciou as baixas no mês passado e a Coinbase afirmou que iria diminuir o ritmo das contratações.

De acordo com o 2TM, os funcionários demitidos receberam um pacote de benefícios para “apoiá-los pessoal e profissionalmente”, citando ajuda para recolocação no mercado de trabalho e extensão do prazo do plano de saúde, entre outros benefícios.

Em julho de 2021, Mercado Bitcoin recebeu um aporte de US$ 200 milhões (cerca de R$ 1 bilhão) do SoftBank, atingindo avaliação de US$ 2,1 bilhões. Desde então, a 2TM fez diversas aquisições e investimentos, como a bolsa de moedas digitais portuguesa Criptoloja e a plataforma de NFTs Block4. 

Atualmente, sob o guarda-chuva da 2TM, além do Mercado Bitcoin, estão nomes como Meubank, MB Digital Assets, Bitrust, Blockchain Academy e MezaPro.