Amazon tem prejuízo de US$ 3,8 bi no 1º trimestre Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

A Amazon registrou prejuízo líquido de US$ 3,8 bilhões no primeiro trimestre de 2022, considerado bem inferior ao  ganho de US$ 8,1 bilhões registrado em igual período do ano passado, segundo balanço publicado nesta quinta-feira, 28. Trata-se da primeira perda trimestral desde 2015.

As vendas líquidas da Amazon aumentaram 7% para US$ 116,4 bilhões no primeiro trimestre, em comparação com US$ 108,5 bilhões no primeiro trimestre de 2021. Excluindo o impacto desfavorável de US$ 1,8 bilhão das mudanças nas taxas de câmbio ao longo do trimestre, as vendas líquidas aumentaram 9% em comparação com primeiro trimestre de 2021, aponta.

A Amazon espera que no próximo trimestre, as vendas líquidas fiquem entre US$ 116,0 bilhões e US$ 121,0 bilhões, ou cresçam entre 3% e 7% em comparação com o segundo trimestre de 2021. A orientação antecipa um impacto desfavorável de aproximadamente 200 pontos base das taxas de câmbio, aponta a gigante de tecnologia.

“Trabalhamos com pressões inflacionárias e da cadeia de suprimentos em andamento, mas vemos um progresso encorajador em várias dimensões da experiência do cliente, incluindo o desempenho da velocidade de entrega, pois agora estamos nos aproximando de níveis não vistos desde os meses imediatamente anteriores ao pandemia no início de 2020”, afirmou Andy Jassy, CEO da Amazon, em comunicado.

Para o executivo da gigante de tecnologia, a empresa não busca mais capacidade física ou de pessoal, mas melhor produtividade e eficiência de custo. O que pode levar algum tempo, principalmente, pelas pressões inflacionárias e com os desafios na cadeia de suprimentos em curso.

A receita do serviço de computação em nuvem da Amazon (AWS) totalizou US$ 18,44 bilhões, valor 36,6% acima do registrado de janeiro a março de 2021.

Com prejuízo no trimestre, as ações da gigante de tecnologia recuam 9,5% no pós-mercado da Nasdaq, em Nova York, a US$ 2.612. No pregão regular, os papéis subiram 4,65%, a US$ 2.891.

(Com Reuters e Agências)