Apenas 2,5% das empresas divulgam metas ESG - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

Apenas 2,5% das empresas de capital aberto divulgam suas metas de sustentabilidade, diz pesquisa realizada pela BR Rating, agência de rating de governança corporativa, em parceria com a Grant Thornton, empresa de auditoria. Conforme o estudo, das companhias que divulgam relatórios anuais de sustentabilidade, 31% apresentam os temas materiais e, desse percentual, 8% informam as metas relacionadas ao tema.

Equidade de gênero, gestão de resíduos, emissão de gases de efeito estufa e uso eficiente da água estão entre os principais temas divulgados pelas empresas. Enquanto saúde e segurança no trabalho, gestão de riscos e uso eficiente de energia são os temas que menos constam nos relatórios.

Para Olavo Rodrigues, sócio fundador da BR Rating, é preciso informar mais e melhor sobre os temas, metas e resultados alcançados nas práticas ESG (governança ambiental, social e corporativa, traduzido do inglês).

A divulgação do levantamento fez parte do encontro ESG on board promovido pela BR Rating e Grant Thornton. O estudo não tem como objetivo avaliar a qualidade e o comprometimento das empresas com as práticas ESG, mas mostrar ao mercado, de forma clara e objetiva, se as empresas estão reportando seus assuntos, materiais, metas e resultados das principais práticas de sustentabilidade.

Além dos relatórios de sustentabilidade, o estudo também se baseou em relatórios da administração, demonstrações financeiras e formulários de referência. “Apenas 12% das empresas pesquisadas divulgam temas materiais ESG nos Relatórios da Administração, ressaltando que esse documento é elaborado pela direção executiva e aprovado pelo Conselho de Administração e pela assembleia de acionistas, ou seja, pelo sistema de governança das companhias”.

Para Rodrigues há uma longa jornada a ser percorrida para divulgar, de forma padronizada, as boas práticas ambientais e sociais, integradas com a Governança Corporativa, sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, visando preservar e otimizar o valor econômico de longo prazo.

A pesquisa desenvolvida com a Prowa, consultoria especializada em sustentabilidade, abrange a análise de 67 práticas, agrupadas em 18 temas, sendo cinco no pilar ambiental, oito no social e cinco no de governança.

(Com assessoria)