B3 adere à causa LGBTQIA+ - Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

A B3, a bolsa do Brasil, aderiu hoje ao Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, reforçando seu compromisso com a temática dos direitos humanos LGBTQIA+. Além de engajar seus colaboradores com questões relacionadas à diversidade, a empresa pretende se tornar referência e incentivar todo o mercado financeiro em que atua.

Além disso, o apoio à casua LGBTQIA+ ajuda também a B3 a construir um ambiente em que as pessoas queiram trabalhar, por se sentirem representadas e poderem exercer o direito de ser quem realmente são.

Criado em 2013, o Fórum de Empresas e Direitos LGBTQIA+ tem como missão mobilizar empresas em torno do reconhecimento, promoção e proteção dos direitos humanos da população LGBTQIA+.

Esse objetivo é perseguido por meio do aprimoramento de práticas de gestão empresarial e pelo combate à homofobia e LGBTfobia, que têm efeitos nocivos sobre as pessoas, os negócios e a própria sociedade.

“Hoje, quando decidimos aderir ao Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+ estamos reforçando o nosso compromisso com a inclusão de pessoas LGBTQIA+ na nossa companhia por meio de ações afirmativas e também convidando todos a refletirem sobre o tema e criar espaços para outras vozes, mais diversas e comprometidas”, diz Gilson Finkelsztain, presidente da B3.

Formatação do Fórum

O fórum conta com 148 companhias signatárias e 15 organizações aliadas, já incluindo a B3. Para se tornar signatária, basta o presidente assinar uma carta de adesão ao fórum e sua agenda de trabalho, expressa em 10 compromissos que tratam da promoção dos direitos LGBTQIA+ sob o prisma da gestão empresarial.

“Queremos articular grandes empresas porque elas têm a capacidade de trabalhar sua cadeia de valor e envolver seus stakeholders nessa tarefa”, diz Reinaldo Bulgarelli, secretário do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+. “

A adesão da B3 ao Fórum coroa uma trajetória que se iniciou em 2017, quando se iniciou um movimento de transformação cultural dentro da companhia. Dois anos depois, foram criados os Núcleos de Diversidade, instâncias dedicadas criar práticas e dar voz aos funcionários sobre temas específicos, sendo um deles a questão LGBTQIA+.

 

(Com assessoria)