Gráfico que representa movimento de ações na bolsa de valores

Crédito: Freepick

O número de investidores pessoas físicas (PFs) na Bolsa brasileira, a B3, atingiu 3,863 milhões, registrando um crescimento de 1,9% em relação ao mês anterior. Comparado a 2020, a alta é de 19,6%, conforme o relatório XP Monitor, divulgado nesta segunda-feira, 9.

Um terço dos investidores da Bolsa encontram-se na faixa etária dos 26 aos 35 anos com 1.239.500 contas ativas em julho, representando 32,1% de todas as contas. Em seguida, temos a faixa entre 36 e 45 anos com 1.068.617 contas, equivalente a 27,7% do total.

Segundo dados da B3, em 2013, a porcentagem de investidores entre 25 e 39 anos era de 19% contra 56% de investidores com mais de 60 anos. Recentemente, essa relação se inverteu, com pessoas com mais de 56 anos representando apenas 15,2% da Bolsa em julho.

Quanto ao saldo por investidor, este se manteve praticamente estável em relação a junho. Olhando a evolução desde 2017, quando o saldo atingiu seu pico, este caiu 47,0%, indo de R$ 267,7 mil por indivíduo para os atuais R$ 142,0 mil, indicando uma crescente presença de pequenos investidores que estão iniciando seus investimentos em ações, de acordo com o XP Monitor.

Ritmo acelerado de investidoras

O número de investidoras na Bolsa alcançou 1,075 milhão em julho, o que corresponde a 27,8% do número total de investidores pessoas físicas. Apesar da representatividade não ser expressiva, o número de mulheres vem crescendo em ritmo acelerado, com alta de 26,9%desde dezembro de 2020, em comparação com o número de investidores homens, que atingiu 2.787.696 no mês, equivalente a um aumento de 17,0% durante o mesmo período. Já em relação ao mês anterior, o número de mulheres cresceu 2,3% e o de homens 1,7%.

Os estados de SP, RJ e MG juntos possuem 58,6% do total de investidores, 41,7 pontos percentuais à frente de PR, RS e SC somados (16,9%). Analisando somente São Paulo, este estado representa sozinho 38,3% do total de contas, quase 30 p.p. acima do segundo colocado, o RJ, com 10,4% do total. Do ponto de vista do valor investido na Bolsa, o estado de São Paulo também lidera, representando 47,5% (R$ 260,4 bilhões) do valor total, 33,1 p.p. acima do RJ (R$ 78,7 bilhões).

(com assessoria de imprensa)