B3 tem queda de 15,3% nos resultados do 1T22 - Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

A B3 atingiu R$ 31,2 bilhões no primeiro trimestre, o que representa uma queda de 15,3% em relação ao mesmo período de 2021, em que apresentou recordes históricos. No segmento de derivativos listados, o volume médio diário negociado (ADV) totalizou 4,4 milhões de contratos, queda de 16,4% em relação aos três primeiros meses do ano anterior. Na comparação com o quatro trimestre de 2021, o ADTV de ações à vista foi 1,1% menor, e o ADV de derivativos cresceu 4,5%.

As receitas da B3 somaram R$ 2,5 bilhões, queda de 4,6% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, devido aos menores volumes e margens do segmento listado, que no mesmo período do ano passado ainda não contemplava as mudanças na política de preços implementadas em fevereiro de 2021. Na comparação com o 4T21, a receita apresentou crescimento de 4,7%.

Já o lucro líquido recorrente da B3 atingiu R$ 1,2 bilhão, uma queda de 7,2% em relação ao mesmo período do ano passado e um crescimento de 0,9% em relação ao 4T21.

Com uma ausência de IPOs, ocasionada pelo adiamento de ofertas iniciais pelas empresas, os follow-ons da B3  mostraram-se opções de captação para companhias já listadas. O trimestre foi marcado por 11 ofertas desse tipo, que totalizaram R$ 11,5 bilhões no período.

A novidade da B3 no período foi a entrada no segmento de recebíveis de cartões de crédito, com o lançamento da plataforma de registro desse ativo financeiro. O registro e a negociação de recebíveis tornou-se obrigatório no Brasil em junho de 2021 e, em seguida, a B3 recebeu a autorização do Banco Central para atuar como registrador.

A estratégia da B3 nesse segmento é oferecer infraestrutura de alta qualidade, com o intuito de viabilizar novos tipos de negócios, e se aproximar de clientes como fintechs e marketplaces, além de bancos pequenos e médios, que atuam de forma inovadora para garantir que os participantes possam ser beneficiados, com otimização de processos e operações mais baratas.

Com a conclusão da compra da Neoway em 23 dezembro de 2021, os dados financeiros deste primeiro trimestre e dos oito dias entre a aquisição e o fim do período do quarto trimestre de 2021 já incluem os números da empresa.

Tecnologia, dados e serviços

Já no segmento de tecnologia, dados e serviços da B3 registrou alta de 33% e receita de R$ 435,7 milhões (17,1% do total) no trimestre. A quantidade média de clientes do serviço de utilização mensal dos sistemas do segmento Balcão aumentou 16,3%, resultado, principalmente, do crescimento da indústria de fundos no Brasil. Outro dado relevante é que a quantidade de TEDs processadas diminuiu 29,3%, devido à expansão da utilização do PIX no período.

(Com assessoria)