Otavio Damaso, diretor de regulação do Banco Central

O Banco Central já acoplou a filosofia do open finance ao birô verde de crédito rural, que funcionará como uma grande plataforma para inovação sustentável, disse Otávio Damaso, diretor de regulação do Banco Central, durante o Ciab 2021.

O birô verde é uma das iniciativas da agenda BC# de sustentabilidade, que tem como principal objetivo integrar as bases de dados governamentais, reduzir a assimetria de informações, facilitar o cumprimento das exigências legais. Ele contribuirá para a mitigação de riscos financeiros na agroindústria e agregar informações de qualidade referente às operações de crédito rural.

O desenvolvimento de soluções inovadoras para a plataforma, segundo ele, ficará a cargo dos agentes privados, instituições do sistema financeiro e fintechs reguladas e não reguladas. Na sua opinião, o birô de crédito rural sustentável é uma combinação clara de inovação, tecnologia e sustentabilidade.

“Já conseguimos antever uma série de benefício e potenciais inovações que podem ser feitas com esse conjunto de informações que estarão disponíveis no mercado”, afirmou.

Rastreabilidade

Entre as iniciativas em andamento consta a rastreabilidade, que vem sendo uma grande demanda da agroindústria. Atualmente, o consumidor final local e, especialmente o estrangeiro, foco das exportações brasileiras, exigem conhecer toda a cadeia do produto, desde sua origem até chegar à prateleira do supermercado. Para atender a demanda do consumidor, estão sendo desenvolvidos sistemas de rastreabilidade mais eficazes baseados na tecnologia Blockchain.

“Trata-se de uma iniciativa única comparada a outras jurisdições internacionais, pois temos um birô de crédito rural que outros países não dispõem e o grau de informação e detalhamento que tem lá é extremamente relevante”, observou.

As outra iniciativas que estão sendo tocadas pela agenda BC# de sustentabilidade têm caráter prudencial dos riscos ambiental e climático. O órgão regulador decidiu tornar mandatório a inclusão do o Taske Force on Climate-related Financial Disclosures (TCFD) plus, passando a incorporar questões socioambientais, além do clima.

Com relação aos próximos desafios, Damásio menciona a necessidade de aumentar a conscientização e a educação da sociedade quanto aos temas de sustentabilidade. Para ele, o mercado de carbono ainda demanda uma organização maior para que o mercado financeiro seja um catalizador desse movimento.