Figura que sugere o real digital - Crédito: Divulgação BC

Crédito: Divulgação BC

O LIFT Challenge Real Digital  foi lançado nesta terça-feira, 30, pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, no último webinário da série promovida pelo BC para discutir a potencial criação de uma moeda digital.

A edição especial do Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas tem o objetivo de avaliar casos de uso de uma moeda digital emitida pelo BC, bem como sua viabilidade tecnológica.

O LIFT Challenge Real Digital será configurado como um ambiente colaborativo virtual ao reunir um público maduro de instituições de pagamento, bancos, fintechs e empresas de tecnologia.

Realizados pela Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac), em parceria com o Banco Central, esses desafios agrupam participantes do mercado interessados em desenvolver um produto minimamente viável (MVP do inglês minimum viable product) para o desenvolvimento de soluções inovadoras que beneficiem a população e o funcionamento do Sistema Financeiro.

Além dos proponentes de projetos, responsáveis pela proposição e desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica aplicados à indústria financeira com foco no tema do LIFT Challenge Real Digital, poderão participar da iniciativa fornecedores de soluções tecnológicas, na condição de parceiros de projetos, bem como agentes da academia, que desejem acompanhar e avaliar projetos através de tutorias, consultorias e orientações por meio de acordos específicos com os proponentes de projetos.

Projetos a ser selecionados

Em linha com o foco do desafio, será dada a preferência para a seleção de projetos sobre as seguintes categorias de casos de uso em ambiente online:

  • Entrega contra Pagamento (DvP da expressão em inglês delivery versus payment) voltado à liquidação de transações com ativos digitais, tanto nativos do ambiente digital quanto tokenizados;
  • Pagamento contra Pagamento (PvP da expressão em inglês payment versus payment) voltado ao câmbio entre moedas;
  • Internet das coisas (IoT da expressão em inglês internet of things) voltado à liquidação algorítmica ou diretamente entre máquinas;
  • Finanças descentralizadas (DeFi da expressão em inglês decentralized finance) voltado à definição de protocolos com liquidação baseada em uma CBDC e tendo em vista requisitos de conformidade e supervisão estabelecidos em norma.

(com assessoria)