Ângelo Duarte – Chefe do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro (Decem) Crédito: Flickr BC

O Banco Central recebeu 52 projetos inscritos no Ciclo 1 do Sandbox e agora analisa as propostas. Serão escolhidos entre 10 e 15 projetos e o resultado com os classificados será divulgado em 23 de setembro. O prazo inicial para a divulgação era 25 de junho e foi prorrogado por 90 dias, uma vez que o número de inscritos superou o dobro do número de vagas.

A análise das propostas é feita pelo Comitê Estratégico de Gestão do Sandbox Regulatório (CESB) e consiste em três fases. Na primeira, são checados os requerimentos documentais e se o projeto contempla as condições de participação na iniciativa (como ser inovador e estar no âmbito de competência do Banco Central); na segunda, são analisados aspectos como aderências às prioridades estratégicas do BC, grau de maturidade e magnitude dos riscos do projeto, além capacidade técnico-operacional e estrutura de governança da entidade que o pretende implementar. A partir desses requisitos será feita uma classificação.

Na terceira fase será dada uma autorização simplificada para que os projetos que estejam dentro do número de vagas disponíveis possam operar no ambiente de testes. A permissão será válida por um ano, podendo ser prorrogada uma vez por igual período.

Inovação

Para o chefe do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro (Decem), Ângelo Duarte, o Sandbox BC pode representar uma adequação das normas às tecnologias usadas atualmente na área financeira.

“Em qualquer setor onde haja inovações, como o financeiro, a regulamentação fica defasada em relação às práticas mais modernas. No Sandbox BC, temos a opção de autorizar o funcionamento de um modelo, observar seu funcionamento, tirar dúvidas e ver que benefícios ele pode trazer, além dos riscos. São aspectos que só conseguimos analisar quando algo está em operação”, disse. (Com assessoria de imprensa)