Crédito: Freepik

A Bloomberg anunciou hoje, 11 de agosto, a nova edição do Bloomberg Women’s Buy-Side Network (BWBN), que será voltada para o Brasil. Trata-se de um grupo focado em elevar as mulheres na indústria de gestão de ativos. Liderado por mulheres executivas seniores, o projeto fornecerá informações, mentoria e treinamento para levar mulheres a cargos de nível sênior no Brasil, o maior mercado de gestão de ativos da América Latina.

Fundado em 2018 e com filiais em Cingapura, Hong Kong, Índia e Japão, a nova edição da BWBN no Brasil é liderada por três sócias fundadoras: Flávia Almeida, CEO da Peninsula Partners, Tatiana Grecco, Diretora de Riscos do Itaú Unbanco, e Luciane Ribeiro, fundadora e sócia principal da 3V Capital Asset Management Ltd.

Para Tatiana, Grecco, diretora do Itaú, apesar do crescimento de mulheres no âmbito de finanças, o percentual de fundo geridos por mulheres no Brasil ainda é muito baixo. “De cada 10 gestores de fundos, uma é uma mulher”, afirma.

A BWBN é uma iniciativa inspiradora para mulheres que acham impossível conseguir uma posição de CEO em gestão de ativos, segundo Luciane Ribeiro, fundadora e sócia principal da 3V Capital Asset Management Ltd.

“O que as mulheres precisam para avançar em suas carreiras é de um ecossistema de apoio em casa e no ambiente corporativo, especialmente com a pensão alimentícia”, diz Flávia Almeida, CEO da Peninsula Partners.

Se as mulheres tivessem o mesmo nível de educação que os homens e as mesmas oportunidades de empregos, o crescimento econômico global poderia receber um aumento de US$ 20 trilhões de dólares, segundo análise da Bloomberg publicada por seus economistas.

“Quando você prioriza a diversidade e a inclusão, evolui a atração e a retenção de talentos, melhora a tomada de decisões, inova mais e obtém melhores resultados”, observa Geraldo Coelho, executivo de negócios da Bloomberg para a América Latina.