Bornlogic capta R$ 52 mi para acelerar estratégia omnichannel - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

A retailtech brasileira Bornlogic mostrou, nos últimos anos, a importância de transformar o trabalho do vendedor do varejo, unindo as soluções tecnológicas ao calor humano do atendimento pessoal. Para ampliar sua atuação e atender players da indústria e de serviços, além de novos setores do já consolidado varejo, a startup acaba de receber um novo investimento. Em rodada série A liderada pela Astella Investimentos com participação da HiPartners, Endeavor Scale Up Ventures e Marcelo Lombardo (CEO da Omie), a empresa captou R$ 52 milhões. O recurso será utilizado para escalar produto, expandindo a tecnologia para mais marcas de toda a América Latina.

O investimento acontece um ano após a empresa ter recebido o primeiro aporte, em uma rodada Seed. Desde então, a empresa aumentou em 243% o faturamento anual, e o número de clientes saltou de 27 para 65. Agora, com o segundo cheque, a startup avança em soluções específicas para indústrias e serviços, criando redes de vendas descentralizadas.

Por meio de uma plataforma digital, a Bornlogic atende atualmente grandes marcas do varejo, como Magalu, Renner, Lojas Americanas, Arezzo & Co, Via, Carrefour e Grupo Pão de Açúcar, além de indústrias, como L’Oréal e Mondelez. Um dos objetivos para este ano é expandir as funcionalidades do serviço.

“Para melhorar as estratégias comerciais, o varejo e a indústria precisam ir além das métricas de alcance e engajamento. Entregamos dados de Vendas de Produtos, Categorias e Marcas medindo o retorno prático, como o aumento nas vendas e a performance de cada vendedor. Hoje ninguém traz esses dados, que são fundamentais para estratégias mais robustas”, explica André Fonseca, CEO da startup, que morou por 13 anos no Vale do Silício.

Desde 2013, a startup é parceira de negócios da Meta, desenvolvendo inteligência artificial para compra de mídia otimizada de grandes marcas. A virada de crescimento da Bornlogic aconteceu justamente quando a empresa mostrou aos varejistas e à indústria que colocar os vendedores como protagonistas no mundo digital acelerava as vendas e melhorava o relacionamento com os consumidores.

“Quando o vendedor sai de trás do balcão e cria conteúdo autêntico, personalizado e regional nas redes sociais, ele se conecta aos consumidores com níveis de relacionamento disruptivos. Um de nossos clientes, por exemplo, teve mais de 300 mil vídeos criados por vendedores e publicados no Facebook e Instagram, criando uma máquina de relacionamento e vendas no mundo omnichannel”, afirma Fonseca. “Essa habilidade de encantar os clientes foi prejudicada com a separação do mundo físico e virtual. Mas a transformação digital dos vendedores retoma a capacidade de varejistas e fabricantes melhorarem a experiência de compra dos consumidores”.

Para Marcelo Sato, sócio da Astella, o produto da Bornlogic é único: “Ninguém no mercado oferece uma solução como essa. A integração da jornada de compra no ambiente presencial e virtual já é parte da realidade, e a comunicação mais próxima do consumidor faz total diferença no processo de fidelização. O potencial da Bornlogic é enorme, conforme vemos que a solução pode ser replicada nos mais diversos setores.”

A equipe Bornlogic também cresceu no último ano, saindo de aproximadamente 50 funcionários para mais de 200 colaboradores no seu quadro. A expectativa para 2022 é de mais contratações, reforçando o já robusto time de tecnologia, produto e dados.

“Um dos pilares que sustentam a nossa tese de investimento é o perfil e as características de um fundador. Ao olharmos para os sócios da Bornlogic, vemos a legítima capacidade de continuar a disruptar não apenas a força de vendas, mas também a relação entre varejo e indústria e, neste caso, a perspectiva de crescimento é ainda maior”, comenta Walter Sabini Junior, fundador e sócio da HiPartners. O venture capital foi escolhido para a rodada justamente por focar em retailtechs, facilitando o acesso aos players do setor.

Para Igor Piquet, diretor geral do Endeavor Scale-Up Ventures, a Bornlogic é um exemplo de inovação para o varejo e a indústria. “É uma inovação brasileira que pode e deve se expandir globalmente. A escalada crescente nos resultados dos negócios garantiu a seleção da empresa para o seleto grupo do programa de aceleração Scale Up Endeavor, e por isso estamos animados em também investir nessa nova fase”, conclui.

(com assessoria)