Brasil cria 197 mil vagas formais de trabalho em abril-credito-freepik

Crédito: Freepik

O Brasil abriu 196.966 vagas formais de trabalho com carteira assinada em abril, conforme o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado nesta segunda-feira, 6, pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

O desempenho de abril no Brasil é fruto de 1.854.557 admissões e de 1.657.591 desligamentos e foi considerado o melhor mês desde os 216.974 postos de trabalho criado em abril de 2012. No acumulado do ano de 2022, o saldo de postos de trabalhos criados é de 770.593, contra superávit de 894.664 visto no mesmo período de 2021.

A criação de empregos foi puxada em abril pelo setor de serviços, que teve saldo positivo de 117.007 vagas. Os setores de comércio (29.261 vagas), indústria (26.378 postos) e construção (25.341 postos) também apresentaram criação líquida de empregos. Apenas o setor de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura fechou 1.021 postos de trabalho no início do segundo trimestre.

Em relação às regiões, houve registro de criação de vagas em todo país. Entre os estados, apenas dois tiveram fechamento de vagas.

A geração de vagas foi puxada pelos estados do Sudeste com a criação total de 101.279 vagas em abril: São Paulo, que criou 53.818 postos, Rio de Janeiro, com 22.403 vagas, e Minas Gerais, com 20.059 novos postos.

O saldo positivo ficou também em 25.598 no Centro-Oeste, 29.813 no Nordeste e 12.023 no Norte.Em contrapartida, fecharam vagas Pernambuco (- 807) e Alagoas (-141).

Com relação ao salário médio real de contratação, houve aumento em abril após queda registrada no mês anterior. O valor ficou em 1.906,54 reais, ante 1.891,54 em março.

Setor de serviços lidera geração de emprego

De acordo com os dados do Caged, em fevereiro o destaque também foi para o setor de serviços, que gerou 215.421 novos postos de trabalho. As atividades mais contempladas foram administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais .

A indústria respondeu pela criação de 43 mil vagas e o setor de construção registrou saldo de 39.453 postos. Em seguida estão os setores de agricultura, com 17.415 novos empregos, e comércio, com 13.129 postos.

(Com assessoria)