Brasil é líder em inovação descentralizada na AL - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

O Brasil é o país líder na América Latina em operar com a inovação de forma descentralizada, permeando todas as as estruturas das empresas, independente do porte e segmento de atuação, conforme aponta pesquisa State of Innovation desenvolvida pela Visa.

93% das empresas mais inovadoras dizem usar incentivos para promover a inovação de forma mais ampla em toda a organização, segundo o relatório.

O Brasil também concentra mais de um terço das empresas mais inovadoras da América Latina. No país, as companhias tendem a fazer mais parcerias com startups e estão mais propensas a ter um investimento direto ou parcial.

De acordo com o levantamento, 2021 foi um ano marcante para a adoção de tecnologias, principalmente as ligadas à segurança, com destaque para o uso de biometria, tokenização e Inteligência Artificial na detecção de fraudes.

Os resultados também mostram que as companhias mais inovadoras da região estão abrindo caminho para ecossistemas digitais mais confiáveis ​​e fortes. O percentual de participantes que estão no estágio avançado de inovação subiu de 17% para 23% em relação a 2020. Além disso, o número médio de APIs das entidades pesquisadas aumentou 53% em relação a 2020.

Tecnologias resolvem dores

“As novas tecnologias não são mais um fim em si mesmas, mas se tornaram um meio essencial de resolver as dores mais urgentes do consumidor, revolucionando a forma como as empresas se relacionam com um universo mais amplo de clientes”, afirma Vanesa Meyer, vice-presidente de Inovação da Visa América Latina e Caribe.

De acordo com o estudo deste ano, as 30 empresas mais inovadoras da região formam um grupo bastante diversificado. As nativas digitais representam 46% desse todo, enquanto as empresas tradicionais de emissão, comércio e aceitação respondem pelos 54% restantes, demonstrando que muitas organizações mais antigas se reinventaram adotando modelos inovadores.

Ao compartilharem abertamente seus dados, quebrarem silos e fazerem parcerias externas, elas adotam uma estratégia de inovação aberta para oferecer uma experiência superior aos seus clientes.

A Inteligência Artificial, Machine Learning, biometria, open banking, pagamentos mais rápidos estão entre as tecnologias mais usadas para derrubar as barreiras à digitalização como fraudes, pagamentos lentos, silos de dados e experiências de cliente desarticuladas.

Em vez de se dedicarem a grandes lançamentos, essas empresas estão sempre revisando seus produtos e serviços atuais, usando testes contínuos em tempo real e feedbacks constantes dos clientes.

“As empresas mais inovadoras da região têm uma qualidade em comum: o desejo incansável de melhorar a jornada do cliente por meio de uma abordagem descentralizada e aberta. Seja resolvendo um desafio no mercado ou capitalizando uma oportunidade, elas estão em sintonia com as mudanças nas preferências e nas necessidades dos seus clientes”, concluiu Meyer.

(Com assessoria)