Crédito: Freepick

Uma nova alta de 78,4 milhões de ataques globais de ransomware foi identificada em junho deste ano, atingindo especialmente as verticais de governo, educação, saúde e varejo, segundo relatório de ameaças cibernéticas publicado hoje pela SonicWall. O Brasil está entre os cinco países que mais sofreram ataques, além dos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e África do Sul.

“Em um ano de ansiedade e incerteza, cibercriminosos aumentaram os ataques contra pessoas e instituições vulneráveis,” diz Bill Conner, presidente da SonicWall, especializada em soluções de cibersegurança. Segundo ele, os criminosos cibernéticos adaptam suas táticas e adotam ransomware para obter ganhos financeiros e semear a discórdia. Como o trabalho remoto ainda está muito difundido, as empresas continuam altamente expostas a riscos.

Responsáveis por 64% de todos os ataques de ransomware registrados, Ryuk, Cerber e SamSam foram as três maiores famílias de ransomware no primeiro semestre, de acordo com os experts do SonicWall Capture Labs.

O aumento contínuo de ransomware, cryptojacking e outras formas de malware visando o ganho de dinheiro, juntamente com a evolução de suas táticas, são evidências de que as atividades cibercriminosas estão sempre atrás de dinheiro e se adaptam rapidamente a novas oportunidades, afirma  Dmitriy Ayrapetov, vice-presidente da plataforma de arquitetura da SonicWall.

Ataques IoT crescem

Os ataques à Internet das Coisas (IoT) continuaram a aumentar este ano, subindo globalmente 59% ao ano até agora, uma tendência igual a de 2018. Enquanto os EUA tiveram um ligeiro aumento de 15% em malware na IoT, Europa e Ásia registraram volume de 113% e 190%, respectivamente.

No ano passado, no entanto, a pesquisa registrou queda nos ataques malware globais, uma tendência que se manteve no primeiro semestre de 2021, com uma redução de 24% no volume de malware no mundo todo. Como os agentes de ameaças se tornaram mais sofisticados — usando ransomware, cryptojacking e outros tipos de ataques cibernéticos para lançar ataques cirúrgicos — diminuiu a incidência de tentativas do malware “spray-and-pray”.

Ataques malware através de portas não padrão também caíram em 2021 depois de terem chegado a alturas recorde em 2020. Estes ataques que visam aumentar a carga útil contornando as tecnologias de firewall tradicionais representam 14% de todos os ataques malware no primeiro semestre de 2021, contra 24% no ano até agora.

Depois do ressurgimento inesperado em 2020, malware de cryptojacking continuou a subir durante o primeiro semestre de 2021, uma vez que os preços da criptomoeda permanecem altos. De janeiro a junho, os pesquisadores de ameaças da SonicWall registraram 51,1 milhões de tentativas de cryptojacking, o que representa um aumento de 23% sobre o mesmo semestre no ano passado.

(Com assessoria)