Brasileiro paga dívida com 13º salário - crédito: Freepik

Crédito: Freepik

A Intervalor, empresa de serviços financeiros, realizou uma pesquisa com 383 consumidores em situação de inadimplência, detentores de cartão Private Label, sobre o seu desejo de realização com o 13º salário.

A parcela de entrevistados que receberá o 13º já tem destino certo para esse valor extra no final do ano: 77% pretendem utilizar esse recurso para pagar dívidas, 11% afirmaram que vão guardar o dinheiro para possíveis emergências, 7% investirão o dinheiro, 4% farão compras de Natal e apenas 1% utilizará o valor para viajar.

Entre os endividados, 35% dos entrevistados utilizarão o 13º para pagamento de cartão de crédito/loja; 23% pagarão contas de consumo que estão em atraso; 18%, outros tipos de dívida; 7% liquidarão empréstimos bancários; 6%, financiamento de veículos; 5%, aluguel; 3% vão pagar empréstimo feito com amigos ou parentes; e 3%, mensalidades escolares/universidade em atraso.

Perfil dos entrevistados

75% afirmaram ser o principal responsável financeiro pelas despesas de seu núcleo familiar, 45% confirmaram que receberão as duas parcelas do 13º e desses, 85% por terem emprego formal, com registro em carteira, enquanto os 15% restantes, por serem aposentados ou pensionistas do INSS. 55% dos entrevistados não terão direito ao benefício, desses, 63% deles se declararam autônomos, trabalhadores do mercado informal ou proprietários de pequenos negócios, enquanto 37% não terão direito por estarem desempregados.

A Intervalor realizou a pesquisa com detentores de cartão de crédito Private Label, oferecido por uma rede varejista ou empresa que só pode ser utilizado nos estabelecimentos daquela marca.

“O 13º salário sempre foi uma importante injeção de recursos na economia. Parte desse valor, historicamente, é utilizada para negociação de dívidas e compras no varejo para as festas de final de ano. O percentual de entrevistados que receberão o benefício é inferior a 50% e esse número deixa evidente a crise pela qual o Brasil está passando, explica Felipe Santos, diretor de operações da Intervalor.

A pesquisa revelou também que somente 18% dos inadimplentes utilizarão o valor recebido para uma possível emergência ou investimento, o que quer dizer que 82% vão usar o 13º para quitar algo, comprar presentes de final de ano ou viajar, sendo que os dois últimos representam apenas 5%.

(com assessoria)