76% das empreendedoras negras têm queda de faturamento - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

Os brasileiros lutam para recuperar a renda mensal. Mesmo com a pandemia sob controle, 72,6% dos cidadãos ainda não conseguiram recuperar a receita que tinham antes da Covid-19 começar, segundo mostra a pesquisa da QueroQuitar, especializada em negociação e pagamento de dívidas.

Para a realização do estudo foram entrevistadas 850 brasileiros que disseram também ter perdido parte da renda (58%) e outros perderam a renda total (24,8%).

O cenário econômico do país dos últimos meses, marcado por inflação e juros altos, tem potencializado o número de brasileiros endividados. De acordo com dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), 77% das famílias brasileiras fecharam o mês de abril com alguma dívida, maior número registrado nos últimos 12 anos.

Dívidas mais negociadas

O levantamento da QueroQuitar apresenta também as dívidas mais negociadas pelos seus clientes, nos últimos dois anos. As dívidas de cartão de créditos afetaram 63,8% dos brasileiros, enquanto os empréstimos realizados em bancos responderam por 29,1% e os relacionados às dívidas contraídas em cartões de lojas 22,7%.

Mesmo com o auxílio emergencial oferecido pelo governo federal, 74% dos participantes da pesquisa declararam não ter utilizado essa renda para negociar ou quitar dívidas.

Para o médico comportamental Artur Zular, um dos fundadores da QueroQuitar, o primeiro passo para as pessoas sairem dessa condição é negociar as dívidas nas melhores condições oferecidas pelos credores. Estar endividado, segundo ele, pode mexer com a saúde mental e física das pessoas, acarretando dificuldades para dormir, ansiedade e depressão, por não se sentir capaz de reverter esse cenário. Cerca de 77,3% disseram ter sido afetados ou viram algum familiar passar por essa situação.

“A pesquisa mostra que 81,8% dos participantes se sentiram melhor depois de negociar e iniciar o pagamento de uma dívida. Mesmo com o alto índice de endividados e inadimplência, as pessoas fazem o que podem para reverter esse cenário. Ninguém quer estar no status de devedor. Quando perguntamos o que eles fariam se tivessem um adicional extra em mãos, 91% indicam querer quitar uma dívida”, conclui.

(Com assessoria)