Cesta básica sobe- Crédito: Freepik

De 39 produtos, 34 tiveram alta. Crédito: Freepik

O custo da cesta básica do paulistano sobe 3,35% em março. O Levantamento mensal feito pelo Núcleo de Inteligência e Pesquisas do Procon-SP em convênio com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revelou alta de 3,35% no valor da cesta básica do paulistano. O preço médio que em 25/02/2021 era de R$ 1.100,35 passou para R$ 1.137,20 em 31/03/2022.

O grupo limpeza apresentou a maior alta, 7,97%, seguido por alimentação, 3,49%. Já higiene pessoal apontou queda de 1,10%. A variação no ano é de 4,52% (base: dezembro/2021)

Os produtos que mais subiram foram:

Sabão em Pó (kg) 15,44%

Batata (kg) 13,39%

Leite UHT (litro) 13,32%

Ovos Brancos (dúzia) 10,11%

Feijão Carioquinha (kg) 8,64%

E as maiores quedas foram:

Papel Higiênico Fino Branco (com 4 unidades) -5,66%

Extrato de Tomate (340/350g) -4,00%

Linguiça Fresca (kg) -2,55%

Dos 39 produtos pesquisados, na variação mensal, 34 apresentaram alta, três diminuíram de preço e dois permaneceram estáveis.

Inflação

A inflação de março dispara e surpreende até mesmo o Banco Central.  Puxada pela grande alta dos preços dos combustíveis, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, acelerou para 1,62% em março, após alta de 1,01% em fevereiro, conforme divulgou nesta sexta-feira (8) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Trata-se da maior taxa para meses de março desde 1994. Ou seja, em 28 anos, antes da implantação do Plano Real. É também a maior inflação mensal desde janeiro 2003 (2,25%).

A pesquisa mostra ainda que todas as áreas  tiveram alta em março. A maior variação ocorreu na região metropolitana de Curitiba (2,40%), onde pesaram as altas da gasolina (11,55%), do etanol (8,65%) e do ônibus urbano (20,22%). Já a menor variação foi registrada no município de Rio Branco (1,35%), onde houve queda nos preços das passagens aéreas (-11,33%) e do frango inteiro (-2,10%).