Cielo corta custo e lucro sobe 36% no 1º tri-Crédito-Divulgação

Crédito: Divulgação

A Cielo, a maior empresa de meios de pagamentos eletrônicos do país, anunciou nesta terça-feira, 3, lucro líquido recorrente no primeiro trimestre, totalizando em R$ 184,6 milhões, alta de 35,9% em relação ao mesmo período de 2021.

O resultado, segundo a empresa, foi resultado da política de controle adotada sobre as despesas. A antecipação de recebíveis também contribuiu para o aumento da receita. Este, aliás, foi considerado um dos destaques do período.

A antecipação de recebíveis, somou R$ 26 bilhões, crescimento de 31% sobre um ano antes, com mais lojistas pedindo para receber recursos de vendas, em um cenário de juros e inflação alta.

O resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) consolidado registrou expansão de 52,1%, para 711,5 milhões de reais, conforme o relatório de resultados da empresa.

A receita liquida do período chegou a R$ 2,76 bilhões, o que representou alta de 1,5%. Mas excluindo a venda da Multidisplay, em novembro, o crescimento foi de 15,2%.

Além disso, o volume financeiro processado pelos terminais da Cielo em pagamentos com cartões de débito e de crédito subiu 23,9% ano a ano, para 198,35 bilhões de reais.

Na outra ponta, os gastos totais apresentaram queda de 3,4% ano a ano. Excluídos efeitos não recorrentes, a queda teria sido de 8,9%, afirmou a Cielo.

A empresa teve nova rodada de queda na base de terminais instaladas. Considerando estabelecimentos comerciais que realizaram ao menos uma transação com nos últimos 90 dias, a base ativa total encerrou o trimestre 17,4% menor em 12 meses, após a empresa suspender subsídios para pequenos negócios.

O resultado financeiro da Cielo no trimestre ficou negativo em 93,4 milhões de reais, ante montante positivo de 51 milhões um ano antes, refletindo o efeito da alta de juros sobre a dívida da companhia.

A Cielo concluiu em abril a venda de sua unidade nos EUA, MerchantE Solutions, por 137 milhões de dólares.

(Com Reuters)