Crédito imobiliário com recurso de poupança cresce 78% -Crédito: Diogo Moreira/ Gov. SP

Vista aérea de São Paulo – Crédito: Diogo Moreira/Gov. São Paulo

O crédito imobiliário com recursos da poupança (SBPE) no Brasil somou R$ 17,5 bilhões em novembro, o que representou um aumento de 26,8% em relação a igual mês de 2020, conforme anunciou, nesta terça-feira, 21, a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

O volume acumulado nos primeiros 11 meses de 2021 atingiu R$ 189,40 bilhões, alta de 77,8% em relação a igual período do ano passado, conforme a Abecip.

Foram financiados em novembro de 2021, nas modalidades de aquisição e construção, 69,9 mil imóveis, resultado 1,7% menor que o de outubro, mas superior em 51,1% se comparado ao de novembro de 2020.

No ano, entre janeiro e novembro de 2021, foram financiados com recursos da poupança do SBPE 804,3 mil imóveis, resultado 116,9% superior ao de igual período do ano passado.

No último período de 12 meses, entre dezembro de 2020 e novembro de 2021, o número de unidades financiadas com recursos da poupança foi de 860,19 mil, resultado 113,7% superior ao dos 12 meses anteriores (402,52 mil imóveis).

Em novembro, a captação líquida da poupança SBPE voltou a ficar negativa (-R$ 9,25 bilhões). Na série histórica iniciada em 1994, os meses de novembro mostram mais resultados positivos (71%) do que negativos (29%).

Os números mostram que os empréstimos para compra da casa própria seguiram em expansão, mas num ritmo bastante inferior ao dos primeiros meses do ano, em função da estratégia do Banco Central de elevar a taxa de juros para conter a inflação, que foi de 2% para 9,25%. 

De acordo com a Abecip, essa prevalência estatística pode ter sido influenciada pelas condições macroeconômicas adversas e com as taxas de desemprego elevadas. “Tudo isso conjugado a queda real da renda das famílias, pode ter levado os poupadores a utilizar parte de suas reservas para completar o orçamento doméstico. Com isso, a captação líquida registrada entre janeiro e novembro de 2021 foi negativa (-R$ 40,9 bilhões).

(Com assessoria)