Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto-Crédito: Divulgação

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central Crédito: Divulgação

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta sexta-feira, 3, que a crise hídrica está mais relacionada a preço e seu impacto sobre a inflação do que propriamente de racionamento. Como os preços de energia elétrica afetam a cadeia produtiva, o BC vai acompanhar essa questão “no detalhe” nos próximos meses, segundo afirmou em evento virtual do Estadão.

De acordo com Campos Neto, a incorporação desse efeito dos preços de eletricidade tem afetado o aumento nas expectativas de inflação para este ano, também influenciando as estimativas para 2022.

O IPCA para o próximo ano, segundo ele, será mais baixo do que o estimado pelo mercado, admitindo que essas diferentes visões têm sido objeto de estudo da autarquia. Conforme a previsão do BC, o IPCA terá alta de 3,5%, enquanto analistas de mercado preveem alta, chegando a 3,95%, segundo o Boletim Focus.

“Fica mais difícil nesse regime de incertezas, a gente tem que olhar o nosso balanço de riscos com maior cuidado. Além disso, nós temos um processo eleitoral, que tem um ruído natural oriundo desse processo, que vários outros países não têm”, afirmou.

(Com assessoria)