CVM multa executivos de corretoras. Crédito: Freepik

As multas foram aprovadas no julgamento de três processos. Crédito: Freepik

O Colegiado da CVM – Comissão de Valores Mobiliários – aprovou ontem, 12, a aplicação de multa a diferentes executivos de corretora de valores. O valor total das penas somou mais de R$ 1,8 milhões.

Três foram os processos julgados. O primeiro, aberto para apurar as responsabilidades de Marcos Navajas, Joedir Dilson do Lago e Fábio Navajas, administradores da Longdis S.A. por não terem publicado demonstrações financeiras nem convocado assembleia geral.  As multas aplicadas foram:

a Marcos Navajas:
a) na qualidade de diretor de relações com investidores da Longdis:
(i) multa de R$ 70.000,00
, pela não elaboração e não entrega tempestiva dos ITRs referentes ao 1°, 2º e 3º trimestres de 2019 e ao 1° trimestre de 2020 (infração aos arts. 21, V, e 29, caput, e II, da Instrução CVM 480).

(ii) multa de R$ 55.000,00, por não fazer elaborar tempestivamente as demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2019 (infração ao art. 176, caput, da Lei 6.404, e aos arts. 25, §2º, e 26, da Instrução CVM 480).

(iii) multa de R$ 55.000,00, pelo não envio do formulário de referência de 2019 (infração aos arts. 21, II, e 24, §1º, da Intrução CVM 480).

(iv) multa de R$ 70.000,00, pelo não envio tempestivo dos formulários cadastrais referentes aos anos de 2019 e 2020 (infração aos arts. 21, I, e 23, parágrafo único, da Instrução CVM 480).
b) na qualidade de presidente do Conselho de Administração da Longdis:
(i) multa de R$ 49.000,00
, por não ter diligenciado para a realização tempestiva da AGO relativa ao exercício findo em 2019 (infração aos arts. 132 e 142, IV, da Lei 6.404).

a Joedir Dilson do Lago, na qualidade de diretor da Longdis:

(i) multa de R$ 70.000,00, pela não elaboração tempestiva dos ITRs relativos ao 1°, 2º e 3º trimestres de 2019 e ao 1° trimestre de 2020 (infração ao art. 29, caput, da Instrução CVM 480).

(ii) multa de R$ 55.000,00, ao não fazer elaborar tempestivamente as demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2019 (infração ao art. 176, caput, da Lei 6.404, e aos arts. 25, §2º, e 26, da Instrução CVM 480).

(i) multa de R$ 49.000,00, por não ter diligenciado para a realização tempestiva da AGO relativa ao exercício findo em 2019 (infração aos arts. 132 e 142, IV, da Lei 6.404).

a Fabio de Almeida Navajas, na qualidade de conselheiro de administração da Longdis:

(i) multa de R$ 49.000,00, por não ter diligenciado para a realização tempestiva da AGO relativa ao exercício findo em 2019 (infração aos arts. 132 e 142, IV, da Lei 6.404).

 Leia aqui o voto da Diretora Relatora Flávia Perlingeiro.

Já o segundo processo foi instaurado para apurar a responsabilidade de BRB – Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. (BRB DTVM) e Andréa Moreira Lopes (na qualidade de diretora da BRB DTVM) por suposto descumprimento aos deveres de boa-fé, transparência, diligência e lealdade aos clientes na administração do Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Multimercado Credito Privado SANASA
As multas aplicadas foram:

a BRB – Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. (BRB DTVM): multa de R$ 150.000,00, ao deixar de monitorar o limite total das aplicações dos recursos do regime próprio de previdência social de 25% do patrimônio líquido do fundo dos cotistas sujeitos ao art. 14 da Resolução CMN 3.922/10 (infração ao art. 16, inciso I, violar o dever de diligência da Instrução CVM 558).

·         a Andréa Moreira Lopes (na qualidade de diretora da BRB DTVM): multa de R$ 63.750,00, ao deixar de monitorar o limite total das aplicações dos recursos do regime próprio de previdência social de 25% do patrimônio líquido do fundo dos cotistas sujeitos ao art. 14 da Resolução CMN 3.922/10 (infração ao art. 16, inciso I, violar o dever de diligência da Instrução CVM 558).

Vejo o  voto do Diretor Relator Otto Lobo.

O terceiro processo  foi instaurado para apurar a responsabilidade de Massa Falida de Gradual Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A. (anteriormente Gradual Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A. – Em Liquidação Extrajudicial), Gizele Vicente Mora, Fernanda Ferraz Braga de Lima Freitas, Gabriel Paulo Gouvêa de Freitas Júnior, Evandro Soeiro Campos e Roberto da Silva por: deficiências na adoção, pela Corretora, de: (i) regras adequadas e eficazes para o cumprimento do disposto na Instrução CVM 505 ; e (ii) procedimentos e controles internos para verificar a implementação, aplicação e eficácia dessas regras    supostas falhas no sistema de registro e gravação de ordens de negociação

Foram aplicadas multas:

a Massa Falida de Gradual Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A.:

(i) multa de R$ 200.000,00, por ausência, quando da inspeção realizada pela CVM entre 27/7/2015 e 13/11/2015, de regras adequadas e eficazes para o cumprimento dos arts. 9°, 19, parágrafo único, 20, I e II, e 22, caput e incisos I, II e III, todos da Instrução CVM 505 (infração ao art. 3º, I, da Instrução CVM 505).

(ii) multa de R$ 300.000,00, por ausência, quando da inspeção realizada pela CVM entre 27/7/2015 e 13/11/2015, de procedimentos e controles internos escritos para verificar a implementação, aplicação e eficácia das regras voltadas para o atendimento ao disposto no art. 5°, § 4°; art. 9°; art. 12, I, II e III; art. 15; art. 19; art. 20, I e II; art. 20, § 1º, I, III e IX; art. 22, I, II e III; art. 23; e art. 36, todos da Instrução CVM 505 (infração ao art. 3º, II, da Instrução CVM 505).

(iii) multa de R$ 200.000,00, pela reiterada ocorrência de falhas relacionadas a gravações e registro de ordens de negociação, conforme relação de ordens não apresentadas, constantes das Tabelas 1 a 5 do Relatório (infração ao art. 3º, II, da Instrução CVM 505).

(iv) multa de R$ 200.000,00, pela não apresentação de ordens referentes a negócios realizados de 3/2/2015 a 30/3/2015; de 17/7/2013 a 4/11/2013; e de 7/10/2015 a 17/11/2015, relacionados nas Tabelas 3, 4 e 5, respectivamente, do Relatório (infração aos arts. 12 e 14, caput, da Instrução CVM 505).

a Gizele Vicente Mora (na qualidade de diretora de normas da Gradual entre 1/2/2013 e 2/5/2014): multa de R$ 100.000,00, pela não apresentação de ordens referentes a negócios realizados entre 17/7/2013 e 4/11/2013, relacionados na Tabela 4 do Relatório (infração aos arts. 12 e 14, caput, da Instrução CVM 505).

a Fernanda Ferraz Braga de Lima Freitas (na qualidade de diretora de normas da Gradual entre 14/7/2014 e 29/7/2015): multa de R$ 100.000,00, pela não apresentação de ordens referentes a negócios realizados entre 3/2/2015 e 30/3/2015, relacionados na Tabela 3 do Relatório (infração aos arts. 12 e 14, caput, da Instrução CVM 505).

a Gabriel Paulo Gouvêa de Freitas Júnior:

(i) na qualidade de diretor de normas da Gradual entre 29/7/2015 e 24/9/2017: multa de R$ 100.000,00,

(ii) na qualidade de diretor de controles internos da Gradual entre 30/1/2014 e 29/7/2015: multa de R$ 150.000,00,

a Evandro Soeiro Campos (na qualidade de diretor de controles internos da Gradual entre 1/2/2013 e 30/1/2014): multa de R$ 100.000,00

 Roberto da Silva (na qualidade de diretor de controles internos da Gradual entre 29/7/2015 e 22/5/2018):

(i) multa de R$ 150.000,00,

(ii) multa de R$ 150.000,00, reiterada ocorrência de falhas relacionadas a gravações e registro de ordens de negociação.

(iii) multa de R$ 100.000,00, pela não apresentação de ordens referentes a negócios realizados entre 7/10/2015 e 17/11/2015,