Meios de pagamento-Crédito: Freepik

Crédito: Freepick

Crédito: Freepick

O setor de retailtechs movimentou investimentos de US$ 762 milhões no segundo trimestre de 2021, considerado o período mais bem sucedido da história do setor, segundo pesquisa do Distrito. Somente nos primeiros seis meses do ano, foram realizados 47 aportes, somando mais de US$ 500 milhões. O total dos investimentos em retailtechs para este ano deverá ser o dobro do ano anterior, US$ 721 milhões.

Com o fechamento das lojas físicas devido à pandemia, conforme o estudo, o volume de compras online disparou, forçando empresas a repensarem o modelo de logística para serem capazes de realizar uma maior quantidade de entregas.

As dark stores, centros de distribuição que atendem exclusivamente compras online, foi a alternativa dos varejistas online para enfrentar a crise. Essa solução tornou-se popular nos últimos três anos com as iniciativas de grandes varejistas como Walmart, Carrefour e Target.

Ao transformar lojas físicas em armazéns para estocagem, separação e envio de produtos online, as empresas conseguem aumentar os pontos de despacho e agilizar o processo de delivery. Além de reaproveitar um ponto de venda que já está preparado e personalizado para receber produtos da marca.

Apesar de não serem abertas ao público, o layout de corredores e prateleiras se mantém, o que facilita a seleção de produtos pela equipe de logística.

Ao contrário dos convencionais hubs de distribuição, as dark stores estão localizadas em centros urbanos. Isso significa que entregas do estilo same day delivery (entregar a compra online em 24hs) ou até mesmo click-and-collect (clique e retire) se tornam ainda mais viáveis.

Segundo a pesquisa do Distrito, o modelo de minihub caiu tanto no gosto dos varejistas que menções ao verbete “curbside delivery” (semelhante ao modelo click-and-collect) dispararam nos relatórios semestrais nos últimos dois anos.

A tendência é de que mesmo após a pandemia, as lojas continuem a ser também um centro de distribuição e ponto de venda, permitindo também o modelo ship from store, modalidade de entrega de mercadorias com integração dos canais físico e digital.

(Com assessoria)