Defesa da democracia une Fiesp e Febraban a centrais sindicais - Crédito: Antonio Augusto/Secom TSE

Urnas que serão utilizadas nas eleições de 2022 – Crédito: Antonio Augusto/Secom TSE

O manifesto organizado pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) deverá ser divulgado nesta sexta-feira, 5, e já conta com a assinatura 107 entidades, entre associações empresariais, universidades, ONGs e centrais sindicais.

O segundo manifesto a favor da democracia, chamado de “Em Defesa da Democracia e da Justiça” reforça o compromisso com a soberania do povo brasileiro expressa pelo voto e a independência entre os poderes.

O manifesto das entidades a favor da democracia conseguiu unir parceiros improváveis, como a Fiesp, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e centrais sindicais, como CUT, Força Sindical e UGT, além da Academia Brasileira de Ciência e a União Nacional dos Estudantes (UNE).

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, também assinam o documento as três universidades estaduais paulistas (USP, Unesp e Unicamp), entidades de defesa ambiental (WWF e Greenpeace), associações de juristas (como a OAB-SP e Academia Paulista de Direito), a Academia Paulista de Letras e grupos de defesa dos direitos humanos, como Anistia Internacional, Instituto Sou da Paz e Instituto Vladimir Herzog.

“Nossa democracia tem dado provas seguidas de robustez. Em menos de quatro décadas, enfrentou crises profundas, tanto econômicas, com períodos de recessão e hiperinflação, quanto políticas, superando essas mazelas pela força de nossas instituições”, diz um trecho do documento organizado pela Fiesp.

Segundo o manifesto, a estabilidade democrática no país e o respeito ao Estado de Direito e o desenvolvimento são condições indispensáveis para que o Brasil supere seus principais desafios. “Esse é o sentido maior do Sete de Setembro neste ano”, diz o documento.

Além do manifesto “Em Defesa da Democracia e da Justiça”, que conta com Fiesp e Febraban, um outro documento foi organizado por ex-alunos da Faculdade de Direito da USP, intitulado “Carta aos Brasileiros”.

Esse documento já publicado reúne assinatura de banqueiros, empresários, economistas, juristas e outros representantes da sociedade civil. A “Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito” já soma mais de 730 mil adesões.

Os dois manifestos serão lidos em cerimônias no dia 11 de agosto, no largo de São Francisco, onde fica a Faculdade de Direito da USP.

A primeira cerimônia deve ter empresários e demais representantes da sociedade civil, às 10h, no Salão Nobre, quando será lido o manifesto das entidades empresariais e associações. Na outra, às 11h30, será feita a leitura do manifesto “Carta aos Brasileiros”. A Fiesp já confirmou presença também no segundo evento.

Leia, a seguir, a íntegra da carta assinadas pelas entidades:

“Em Defesa da Democracia e da Justiça”

No ano do bicentenário da Independência, reiteramos nosso compromisso inarredável com a soberania do povo brasileiro expressa pelo voto e exercida em conformidade com a Constituição.

Quando do transcurso do centenário, os modernistas lançaram, com a Semana de 22, um movimento cultural que, apontando caminhos para uma arte com características brasileiras, ajudou a moldar uma identidade genuinamente nacional.

Hoje, mais uma vez, somos instigados a identificar caminhos que consolidem nossa jornada em direção à vontade de nossa gente, que é a independência suprema que uma nação pode alcançar. A estabilidade democrática, o respeito ao Estado de Direito e o desenvolvimento são condições indispensáveis para o Brasil superar os seus principais desafios. Esse é o sentido maior do Sete de Setembro neste ano.

Nossa democracia tem dado provas seguidas de robustez. Em menos de quatro décadas, enfrentou crises profundas, tanto econômicas, com períodos de recessão e hiperinflação, quanto políticas, superando essas mazelas pela força de nossas instituições.

Elas foram sólidas o suficiente para garantir a execução de governos de diferentes espectros políticos. Sem se abalarem com as litanias dos que ultrapassam os limites razoáveis das críticas construtivas, são as nossas instituições que continuam garantindo o avanço civilizatório da sociedade brasileira.
É importante que os Poderes da República – Executivo, Legislativo e Judiciário – promovam, de forma independente e harmônica, as mudanças essenciais para o desenvolvimento do Brasil.

As entidades da sociedade civil e os cidadãos que subscrevem este ato destacam o papel do Judiciário brasileiro, em especial do Supremo Tribunal Federal, guardião último da Constituição, e do Tribunal Superior Eleitoral, que tem conduzido com plena segurança, eficiência e integridade nossas eleições respeitadas internacionalmente, e a todos os magistrados, reconhecendo o seu inestimável papel, ao longo de nossa história, como poder pacificador de desacordos e instância de proteção dos direitos fundamentais.

A todos que exercem a nobre função jurisdicional no país, prestamos nossas homenagens neste momento em que o destino nos cobra equilíbrio, tolerância, civilidade e visão de futuro.

Queremos um país próspero, justo e solidário, guiado pelos princípios republicanos expressos na Constituição, à qual todos nos curvarmos, confiantes na vontade superior da democracia. Ela se fortalece com união, reformando o que exige reparos, não destruindo; somando as esperanças por um Brasil altivo e pacífico, não subtraindo-as com slogans e divisionismos que ameaçam a paz e o desenvolvimento almejados.

Todos os que subscrevem este ato reiteram seu compromisso inabalável com as instituições e as regras basilares do Estado Democrático de Direito, constitutivas da própria soberania do povo brasileiro que, na data simbólica da fundação dos cursos jurídicos no Brasil, estamos a celebrar.

Brasil, 11 de agosto de 2022