Gráfico que mostra movimento de ações em bolsa de valores e imagem de dólar ao fundo

Crédito: Freepik

O ambiente de tensão política e o agravamento da crise institucional a partir dos discursos do presidente da República nas manifestações do 7 de setembro fizeram com que os ativos em geral registrassem perdas, como no  setor de bancos e de construção civil. Ações de varejistas ou de empresas ligadas ao varejo também tiveram fortes perdas em meio ao cenário de aversão ao risco, além da perspectiva de alta de juros com a inflação mais alta.

Hoje, o principal índice da B3 fechou em forte queda de 3,78%, aos 113.412,84 pontos, no menor nível desde março. Já no câmbio, o dólar registrou ganho de 2,89%, encerrando na máxima do dia, a R$ 5,3261 – maior valor desde 23 de agosto.

Para investidores, a crise institucional, em que Bolsonaro esticou demais a corda, deverá dificultar o encaminhamento de temas estratégicos para a economia, como o pagamento de precatórios. Com as reformas saindo do foco e as eleições presidenciais liderando as pautas do governo, analistas acreditam que só a preservação do teto de gastos poderá colocar o mercado numa melhor direção.

Decepção na fala de Arthur Lira

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que é preciso dar um basta à crise entre os Poderes e propôs em seu discurso mediar o conflito entre o Executivo e o Judiciário. Quem esperava que Lira fizesse menção de impeachment, se decepcionou. Em discurso gravado, ele se limitou a dizer: “É hora de dar um basta nessa escalada, em um infinito looping negativo. Bravatas em redes sociais, vídeos e um eterno palanque deixaram de ser um elemento virtual e passaram a impactar o dia a dia do Brasil de verdade. O Brasil vê a gasolina chegar a R$ 7, o dólar valorizado em excesso e a redução de expectativas. Uma crise que é superdimensionada nas redes sociais.”

Os ataques e ameaças de Bolsonaro também refletem no Congresso, com um aumento da dificuldade de aprovação de pautas, como a reforma administrativa e uma solução para o pagamento dos precatórios, que vinha sendo tratada em conjunto com Legislativo e Judiciário.