Educbank capta R$ 200 milhões em rodada Série A - Crédito: Divulgação

Danilo Costa, CEO do Educbank – Crédito: Divulgação

O Educbank, ecossistema financeiro para escolas de ensino básico, anuncia a captação de R$ 200 milhões para expandir sua operação. A missão da fintech é ampliar o acesso à educação de qualidade no país, selecionando escolas com alto potencial acadêmico e as apoiando financeiramente.

A fintech iniciou suas operações em 2021 e causou uma disrupção na indústria. A rodada, liderada pela Vasta, um dos grandes grupos de educação básica do país,  com uma rede de 4 mil escolas e um TPV anual superior a R$ 15 bilhões, chancela a tese que hoje representa o nicho de maior crescimento e potencial do setor.

A rodada foi acompanhada pelo fundo Marrakech Capital, que já era investidor desde a rodada anjo. A Marrakech, que busca dar escala para soluções inovadoras nas áreas de educação, saúde, moradia e serviços financeiros, investe em projetos que têm em seu modelo a explícita intenção de gerar impacto positivo de forma escalável.

Nos próximos 12 meses, o Educbank estima transacionar mais de R$ 1 bilhão em pagamentos escolares, apoiando centenas de escolas e milhares de alunos. O aporte permitirá o desenvolvimento de suas tecnologias e suportará o crescimento exponencial que a companhia atualmente vivencia.

O conceito foi idealizado por Danilo Costa, quando administrava uma rede de escolas que ele próprio fundou e percebeu o problema institucional que a inadimplência e a falta de acesso a capital causavam para o setor, obstruindo as escolas do país de investirem e forçando o gestor educacional a se concentrar na inadimplência ao invés de focar na aprendizagem dos alunos.

Por meio de benefícios como a garantia de recebimento integral das mensalidades (mesmo em caso de inadimplência das famílias), meios de pagamento, softwares de gestão escolar, contabilidade, marketing, dentre outros, a iniciativa assegura a solidez financeira e de gestão necessários para que as escolas, por sua vez, possam investir e se dedicar à melhoria da instituição.

“Nenhum setor se consolidou sem acesso a capital e não será diferente com as escolas brasileiras, que necessitam de segurança financeira de longo prazo para investir e inovar e é justamente isso que o Educbank está permitindo”, declara, Danilo Costa, fundador da companhia.

(com assessoria)