Empresas apostam em Corporate Venture Capital próprio Crédito: Freepik

Crédito: Freepick

A alta do investimento em startups no país estimulou 47,1% das empresas brasileiras a adotarem uma estrutura própria de Corporate Venture Capital (CVC), nos próximos dois anos, conforme o estudo realizado pelo BR Angels Smart Network, associação de investimento-anjo, em parceria com Innovation Latam, ecossistema de inovação digital. Atualmente, apenas 27,1% das companhias têm uma estrutura voltada para a identificação e investimento em novos negócios promissores.

De acordo com a pesquisa, 51,4% das empresas pretendem realizar aportes em startups ainda este ano, especialmente em fintechs (45,8%), SaaS (30,6%) e healthtechs (25%). O estudo teve como propósito traçar um perfil do mercado de CVC no país.

Realizada em agosto de 2021, com a participação de 140 empresários, a pesquisa mostra que entre as maiores barreiras para as empresas realizarem investimentos ou fecharem parcerias com startups constam a falta de capital disponível para esse tipo de operação (41,2%), a dificuldade em encontrar startups com o modelo de negócios ideal (17,6%), o nível de maturidade das startups do setor (10,3%) e o momento não oportuno da economia do país (7,4%).

Dentre as companhias que já implementaram um CVC, a maioria, 44,7%, investiu até R$ 10 milhões em startups pelo programa, 13,2% até R$ 50 milhões, 7,9% até R$ 20 milhões, 7,9% acima de R$ 50 milhões e 2,6% até R$ 30 milhões.

Cerca de 23,7% das empresas que contam com um CVC preferiram não abrir os valores investidos até o momento. As principais motivações apontadas para realizar os aportes foram a aceleração da transformação digital (57,9%), o fomento da cultura de inovação (55,3%) e a criação de programas de aceleração (28,9%).

“Os resultados da pesquisa mostram que as empresas estão cada vez mais interessadas em se conectar com as startups, pois o valor gerado para as organizações está mais tangível e fácil de mensurar. Certamente, teremos nos próximos anos uma escalada ainda maior dos programas e hubs de inovação, tanto de grandes empresas quanto de pequenas e médias”, declara o CEO Innovation Latam, João Pedro Brasileiro.

Segundo ele, a relação com agentes que sejam referência no setor, como outros CVCs e grupos de investimento-anjo, é vista como positiva. Entre os executivos, 59,3% têm interesse em firmar parcerias para investir em startups, trocar conhecimentos e fortalecer o empreendedorismo no país.

(Com assessoria)