O compromisso com a economia verde começa a ser incorporada pelo setor financeiro. Mais de 20% do crédito concedido para clientes Pessoa Jurídica (PJ) em 2020 foram voltados para empresas envolvidas em atividades que reduzem riscos ambientais e ampliam o desenvolvimento sustentável, segundo relatório da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) desenvolvido em parceria com a PUC-Rio.

De R$ 1,73 trilhão do saldo da carteira de crédito para clientes PJ em dezembro do ano passado, R$ 376 bilhões foram usados em operações destinadas às causas ambientais. Isso significa que, de cada cinco reais emprestados pelos bancos para clientes pessoa jurídica em 2020, mais de um real foi direcionado a essas empresas.

Concluído no ano passado, o levantamento é resultado da aplicação da nova metodologia de classificação das operações de crédito. Com isso, os bancos passarão a ter novos instrumentos para desenvolver estratégias relacionadas a economia verde em suas avaliações, segundo a Febraban.

De acordo com Isaac Sidney, presidente da Febraban, os resultados podem ser utilizados para direcionar fluxos de capitais para as atividades com maior contribuição socioambiental, formular estratégias para gerir riscos associados às mudanças climáticas e identificar novas oportunidades de negócios.

Essa classificação foi desenvolvida inicialmente pela Febraban em 2015 para mensurar a alocação de recursos financeiros em atividades ligadas à redução da emissão de carbono, eficiência no uso de recursos naturais e inclusão social.