Crédito: Freepik

 A Mercurius Crypto, especializada em análise e pesquisa de cripto, lança o primeiro fundo de gestão ativa em cripto que adapta a estratégia de value investing, tese de investimentos comum em ações, para o mercado de criptomoedas. Trata-se de uma aplicação pioneira no país que no início contará apenas com o capital dos sócios, e será aberta aos demais investidores qualificados e institucionais ao longo deste ano. O fundo é regulado pela Comissão de Valores Imobiliários (CVM).
“Acreditamos que a gestão ativa é o futuro do mercado e queremos estar presentes na largada para sermos os melhores”, diz Gabriel Faria, CEO da Mercurius Crypto. Segundo ele, a lista de espera para os interessados em investir já está disponível. A estratégia de value investing aposta no potencial de valor das empresas no longo prazo, e não em seu preço de mercado atual e nem no seu volume de transações na bolsa.

Para Faria, os criptoativos não são apenas moedas, mas também ações de empresas que geram receita, fluxo de caixa e pagam dividendos. “O setor que mais apostamos na área de cripto tem apenas 2 milhões de usuários e gerou receita de mais de US$ 1 bilhão este ano. Existe uma alta assimetria entre preço e valor e é nisso que queremos atacar, buscando retornos no longo prazo”, afirma.

O novo fundo foi desenvolvido em parceria com uma gestora de recursos independente, value investors do mercado de ações. O objetivo do fundo é encontrar ativos fora do radar ou de baixo market cap que possuem vantagens competitivas e potencial para serem os melhores em seus segmentos dentro do mercado de cripto.

A ação disruptiva adapta a tese de investimento do value investing para este novo mercado, inclusive com hedge (proteção de carteira), outra inovação que deverá ajudar a tornar a Mercurius, que até então atuava como casa de análise e pesquisa, referência nacional em gestão de criptoativos. “O hedge nos permite proteger o portfólio em momentos de irracionalidade do mercado. Quando cai muito, por exemplo, podemos ter mais caixa para comprar bons ativos a preços baixos”, diz Faria.

(Com assessoria de imprensa)