Fundos de investimento têm resgate de R$ 64 bi - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

Os fundos de investimento registraram resgates líquidos de R$ 64 bilhões no mês de maio, segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O montante é a diferença entre R$ 850,5 bilhões de aportes e R$ 914,5 bilhões de saques no período.

Todos as classes de fundos tiveram retiradas líquidas, com exceção dos Fundos de Investimento em Participações (FIPs) com captação líquida positiva de R$ 817,5 milhões.

A renda fixa fechou no vermelho pela primeira vez no ano, com R$ 22,3 bilhões. Dois saques concentrados em dois fundos, no entanto, somaram R$ 62,8 bilhões. No ano, a renda fixa acumula captação líquida positiva de R$ 97,9 bilhões, a maior de todas as classes. Os multimercados registraram retiradas líquidas de R$ 12,2 bilhões e os fundos de ações de R$ 9,4 bilhões.

“Os fundos de renda fixa continuam com apelo entre os investidores, mas movimentos concentrados de mercado acontecem e podem distorcer um pouco o comportamento da classe no mês”, afirmou Pedro Rudge, vice-presidente da Anbima.

Desde o começo do ano, o patrimônio líquido da classe de ações caiu 11,6%. Em maio de 2021, quando a taxa Selic estava em 3,5%, houve aumento de 12,2% entre janeiro e maio. O número de contas acompanhou o patrimônio: caiu 2% na comparação entre abril de 2022 e abril de 2021.

Rentabilidades

Entre os tipos de fundos de renda fixa, o duração alta grau de investimento (investe, no mínimo, 80% da carteira em títulos públicos e ativos de baixo risco) teve maior rentabilidade no mês com 1,27%. Em ações, o destaque ficou com monoação (aplicação em ações de apenas uma única empresa) com 6,20%. Nos multimercados, o tipo multimercados balanceado (busca retorno no longo prazo por meio da compra de diversas classes de ativos) teve retorno de 1,55%.

(Com assessoria)