Benjamin Gleason – fundador da Guiabolso Crédito: Divulgação

A Guiabolso fechou uma parceria a fintech mexicana Finerio para atuação conjunta em países da América Latina. Benjamin Gleason, fundador da Guia Bolso ao lado do sócio Thiago Alvarez, explica que há muita sinergia e complementação nas operações das duas empresas, que têm longo histórico de relacionamento e troca de conhecimento.

A expectativa é de que juntas as duas empresas possam explorar as oportunidades com a chegada do Open Banking no Brasil e na América Latina. A empresa já teve cinco rodadas de investimento e não descarta uma nova captação em 2021 de Série E para suportar a expansão da operação B2B. “Crescemos muito a operação B2B. Este ano, é possível que em algum momento vamos voltar ao mercado particularmente para suportar o crescimento da operação B2B, pois com o B2C já maduro, enxergamos maior potencial no B2B”, sinaliza Gleason

Ele destaca que a Finerio tem atuação semelhante ao Guiabolso e já está presente no México, Colômbia e Chile. Juntas, elas planejam operar em outros países da região e preparar as empresas locais para as mudanças que vão acontecer. A iniciativa da Guia Bolso alcança dois objetivos estratégicos: ampliar a operação no mercado B2B e iniciar a expansão internacional.

“A parceira está relacionada a nossa operação B2B de serviços de Open Banking e inteligência de dados que oferecemos para clientes bancos e fintechs. Temos expandido muito no Brasil, mas temos recebido pedidos de alguns players regionais, que querem expandir nossas soluções para seus mercados. Com o app Guia Bolso para usuário final aprendemos muito como trabalhar esses dados e criar soluções financeiras, de analytics e modelagens. E a Finerio tinha um modelo semelhante no México, então decidimos formalizar essa interação numa parceria estratégica”, diz Gleason.

A aliança prevê que o Guiabolso e a Finerio trabalhem em conjunto, particularmente para que clientes existentes e outras empresas regionais e internacionais possam adotar de forma integrada a melhor tecnologia de agregação, análise e aplicação de dados bancários em cada mercado da sua operação.

“Há muita complementariedade, a Finerio trabalha muito com fintechs com mais de 50 clientes no México, e a Guiabolso tem muita atuação com bancos no Brasil. Além disso, temos muitos clientes comuns e agora podemos servir a esses clientes como uma voz única e produto mais padronizado. A Guia Bolso opera Open Banking desde 2014 e a Finério tem muita experiência. Então são dois líderes que têm tecnologia mais comprovada que qualquer novo entrante”, destaca Gleason.

Com isso, os clientes terão acesso ao portfólio de produtos B2B da parceria, inclusive soluções relacionadas ao Open Banking, num momento em que outros países da região começam a seguir os recentes passos do Brasil. Um dos exemplos é o Open Banking as a Service (OBaaS®), solução que oferece uma plataforma completa para empresas que precisam ou querem se adequar ao Open Banking.

Gleason destaca que embora o Brasil esteja mais avançado em relação ao Open Banking, outros países como México, Colômbia, Chile e Peru estão iniciando seus estudos. Ele diz que a Guiabolso já está preparada para o pós-Open Banking, ao contrário de novos entrantes tentado competir na capada de conectividade, para ser o tubo que liga os diferentes players. Porém, o dado que sai dos bancos para ser compartilhado no Open Banking é não é padronizado e é não diz muita coisa.

“A Guiabolso foi muito além disso, não somos apenas o encanamento. Pegamos esse dado bruto convertemos num dado padronizado e em categorias para entender o que é renda, o que são gastos, score de crédito. São features de valor agregado mais próximas dos nossos clientes b2b aos seus consumidores finais. Ter operado um app com mais de 4 milhões de pessoas conectadas, faz uma diferença que ninguém tem”, conclui o fundador da Guiabolso.