Ibovespa fecha em alta após acalmar a tensão chinesa - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

O Ibovespa, principal índice de ações brasileiras, operou em alta nesta terça-feira, 21, acompanhando a recuperação das bolsas internacionais ao impacto da forte queda da véspera, quando o índice brasileiro caiu 2,3%, devido à crise causada pela segunda maior incorporadora chinesa Evergrande.

O índice subiu 1,37% para 110.334,67 pontos, primeira alta após ter voltado ao menor índice em quase 10 meses. O volume financeiro da sessão somou R$ 28 bilhões.

O mercado acalmou, mas as atenções seguem voltadas para a recuperação da Evergrande e suas potenciais consequências para o mercado global.

A maioria dos índices de ações pelo mundo subiu, além das cotações de commodities.

Nos Estados Unidos as ações fecharam a terça-feira quase estáveis. Os investidores estão agora na expectativa do final da reunião do Federal Reserve, que começa nesta terça seu encontro de dois dias. Eles aguardam informações sobre os planos do banco central americano desacelerar seu programa de compra de títulos, e quando o movimento se iniciará.

Segundo dados preliminares, o Dow Jones caiu 0,14%, para 33.922,54 pontos; o S&P 500 SPX teve oscilação negativa de 0,08%, para 4.354,15 pontos, e o Nasdaq Composite avançou 0,22%, para 14.746,40 pontos.

O governo chinês, no entanto, não acenou com qualquer possibilidade de resgate para a Evergrande. O que tranquilizou o mercado global foi o presidente da segunda maior incorporadora da China, que responde por cerca de 25% do PIB do país, afirmar que a empresa irá cumprir com suas responsabilidades entre compradores de propriedades, investidores, parceiros e instituições financeiras.

Analistas de mercado, no entanto, não apostam em maiores consequências quanto a uma possível quebra da Evergrande, que acumula dívida total de US$ 300 bilhões e a disponibilidade de caixa não chega a US$ 15 bilhões.

O efeito da crise da Evergrande pode, no entanto, afetar as exportações do minério de ferro por ser estreitamente ligado ao setor de construção. Aliás, é o minério de ferro que mais tem impulsionado a recuperação da exportação brasileira este ano.

Até agosto as exportações para a China, que responde por cerca de dois terço do minério de ferro exportado pelo Brasil, chegaram a US$ 20,5 bilhões, contra US$ 18,5 bilhões em 2020.

As repercussões da Evergrande fizeram também subir 1% o ouro, o movimento dos rendimentos do Tesouro americano e o dólar. Para especialistas, dependendo do desenrolar da situação da incorporadora chinesa nos mercados, o ouro poderá se manter em alta com compradores buscando investimentos mais seguros.

No Brasil, o principal ponto da agenda  é a divulgação da nova taxa básica de juro, com a aposta majoritária de alta de 1 ponto percentual da Selic, que chegaria a 6,25% ao ano, segundo especialistas.