Tubos de metal manufaturados - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

A inflação do setor industrial aumentou 2,16% em outubro na comparação com setembro. Os dados são do Índice de Preços ao Produtor (IPP), divulgado nesta quarta-feira, 1º, pelo IBGE.

Com o resultado, os preços na indústria acumularam crescimento de 26,57% em 2021, o maior índice para outubro desde o início da série histórica, em 2014. Já o acumulado nos últimos 12 meses foi de 28,83%, e vem reduzindo desde junho, quando era de 36,78%.

A alta de outubro é a maior desde abril, quando registrou 2,19%, e marca uma série de mais de dois anos de inflação na indústria. A última variação negativa do IPP foi em agosto de 2019.

A pesquisa mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, isto é, sem impostos e frete. Foram pesquisadas 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação. Dentre elas, 22 registraram alta em outubro.  Destaque para refino de petróleo e produtos de álcool, que apresentou a maior variação (7,14%) e a maior influência no resultado geral (0,73 ponto percentual dos 2,16%).

Petróleo e químicos

“Essa taxa é reflexo da variação do óleo bruto de petróleo, cujo preço vem aumentando no mercado internacional”, explica o gerente da pesquisa, Alexandre Brandão. O acumulado no ano da atividade é de 60,38%, a maior taxa observada para outubro desde o começo da série histórica, iniciada em 2014.

A alta na atividade de outros produtos químicos (6,38%, a segunda maior) também exerceu forte influência (0,59 p.p.) no resultado do mês. O resultado está ligado principalmente aos preços internacionais e ao custo de diversas matérias-primas, como, por exemplo, a nafta. Além disso, a demanda da indústria por produtos químicos está aquecida.

Outros dois setores tiveram altas importantes em outubro: borracha e plástico (3,45%) e outros equipamentos de transporte (3,44%). Já os alimentos cresceram 0,75%, exercendo a quarta influência (0,18 p.p.) no resultado geral do IPP no mês.

Em 2021, a atividade de alimentos apresentou apenas um mês de queda, em junho (-0,14%,). Por outro lado, outubro é a menor variação positiva do ano até aqui. A atividade acumula 15,68% alta nos preços da indústria.

(com Agência IBGE)