Inovação digital e agenda ESG estão na pauta do varejo-crédito-Freepik

Crédito: Freepick

A KPMG, empresa de consultoria, aponta que 86% dos CEOs brasileiros do varejo veem a disrupção tecnológica mais como oportunidade do que ameaça, segundo recente pesquisa publicada pela consultoria sobre consumo e varejo. A continuidade dos investimentos em inovação digital e o avanço da agenda ESG (meio ambiente, social e governança em inglês) devem liderar a estratégia do setor, conforme o estudo.

Para os líderes varejistas do país, os investimentos em tecnologia foram indicados como prioritários. Cerca de 58% deles, as parcerias com provedores de dados terceirizados ganharão mais atenção, e para 42% haverá uma dedicação maior em digitalização e conectividade de todas as áreas funcionais.

“Entre os CEOs brasileiros do setor, a importância de otimizar operações e evitar falhas na cadeia de fornecedores como forma de antever futuras crises é uma preocupação duas vezes maior em Consumo e Varejo do que nos demais setores”, afirma Fernando Gambôa, sócio-líder de Consumo e Varejo da KPMG no Brasil e na América do Sul.

Aquisições & Parcerias

Os CEOs do setor também apostam em aquisições e parcerias para alavancar o crescimento, sendo que o otimismo em relação a economia gerou uma visão diversificada sobre planos de crescimento. 14% dos líderes estão interessados em fusões e aquisições nos próximos três anos.

As joint ventures também são importantes para o setor no Brasil, com 29% dos respondentes interessados nessa estratégia. Já o crescimento orgânico foi a escolha de 14% dos CEOs varejistas brasileiros.

A pesquisa destacou ainda que a proposta de construção de valor da marca deve estar alinhada com o propósito da organização e da sociedade, além de ser uma questão crucial para a sustentabilidade dos negócios. Para 86% dos CEOs brasileiros do varejo, o cenário atual promoveu a alteração do foco para o componente social da ESG.

Dois desafios foram destacados por 29% dos entrevistados brasileiros: a ausência de uma estrutura global aceita para medir e divulgar desempenho em ESG, e o ceticismo sobre o greenwashing das divulgações de performance do tema.

Conduzida no setor varejista nos meses de junho e julho deste ano, a pesquisa contou com a participação de sete  CEOs brasileiros, 31 sul-americanos e 149 do grupo denominado “Core Countries” – Alemanha, Austrália, Canadá, China, Espanha, Estados Unidos, França, Índia, Itália, Japão e Reino Unido.

(Com assessoria)