Sergio Costantini, Diretor Geral da Mambu no Brasil - Foto: Divulgação

Sergio Costantini, Diretor Geral da Mambu no Brasil – Foto: Divulgação

No Brasil, quando alguém precisa de informações para lidar com alguma situação financeira ele procura o gerente de seu banco. Correto? Não, longe disso. Segundo pesquisa realizada pela Mambu — empresa com plataforma SaaS em nuvem líder do setor bancário — 42,5% dos que responderam ao levantamento confessam que vão buscar esse tipo de conselho na Internet, enquanto apenas 19,2% recorrem ao executivo do banco. Para o diretor geral da empresa, Sergio Constantini, o maior mérito do Open Finance é justamente o de abrir oportunidades a partir do momento que se coloca o cliente no centro dos negócios.

A acessibilidade financeira, tema da pesquisa da companhia, dá muitas pistas do universo que o ecossistema de Open Finance poderá explorar. Para aqueles que apostam que a principal causa do elevado número de desbancarizados está na falta de capital, chegou próximo. O levantamento mostra que 17,1% dos participantes alegam ser esse o motivo. Mas há um percentual maior, 29,9%, que não apresenta nenhuma causa para isso, posicionando-se sem motivos particulares para não ter a conta bancária.

A falta de acesso à tecnologia é relatada por 3,4% dos desbancarizados que participaram do levantamento, 8,5% dizem que não sabem como abrir uma conta, 6,8% reclamam que estão longe das agências e 8,5% comentam que não precisam de uma conta bancária.

O fato de recorrerem pouco ao gerente do banco tem reflexo em outra questão da pesquisa da Mambu. 60% admitiram que a suas situações financeiras estariam melhor se tivessem mais informações sobre como o sistema financeiro funciona. “O que mais me impressionou no resultado foi o de que os bancarizados não se sentem bem atendidos”, chamou a atenção Constantini.

Na sua avaliação, é preciso que as instituições passem de generalistas para mais especialista, atendendo adequadamente os diversos nichos do mercado de correntistas e pessoas que poderão se ligar ao mercado financeiro, criando soluções específicas para todos os perfis de clientes. Ele lembra que não é possível sustentar a acessibilidade financeira sem baixo custo e isso precisa estar no meio das estratégias de Open Finance. “Até agora nós temos nesse processo apenas a ponta do iceberg das oportunidades financeiras”, declarou o executivo.

A Mambu, fintech alemã, foi lançada no mercado em 2011 e já atingiu o status de unicórnio. Em janeiro em sua última rodada de investimentos conquistou US$ 134 milhões em uma investida liderada pelo fundo TCV que tem grandes marcas em seu portfolio. No ano passado, desembarcou no Brasil já sob o comando de Constantini de olho no processo de transformação digital nas organizações brasileiras.

O executivo foi key note speaker hoje, primeiro dia do Digital Money Meeting, evento organizado pelo portal de notícias Digital Money Informe. O encontro se estende até a próxima sexta-feira, debatendo importantes temas do setor.