Sede do Banco Central, em Brasília, vista de baixo. Crédito: Flickr BC

Sede do Banco Central, em Brasília. Crédito: Flickr BC

Já são 35 semanas de previsão de alta para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de acordo com o Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central, nesta segunda-feira, 6. De acordo com os economistas entrevistados pelo BC, a projeção para a inflação oficial em 2021 é de 10,18%, ante 10,15% previstos na semana anterior.

Para 2022, o mercado financeiro projeta a inflação a 5,02%, maior que na semana passada, quando a estimativa era de 5%.

Para 2021, a meta de inflação (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA), que deve ser perseguida pelo BC, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior é 5,25%.

As metas de inflação para 2022 e 2023 definidas pelo CNM são, respectivamente, 3,5% e 3,25%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto para cima ou para baixo.

Juros e PIB

Quanto à taxa básica de juros, a estimativa do mercado manteve-se em 9,25% em 2021 e 11,25% em 2022.

Os economistas entrevistados pelo BC reduziram as expectativas sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que em 2021 deverá ser de 4,71% ao ano. A previsão é menor do que na semana passada de 4,78%. Esta é a oitava semana de baixa na projeção do PIB.

As previsões para o PIB de 2022 também diminuíram. Os especialistas do mercado indicaram um crescimento do PIB de 0,51%. Para 2023 a previsão também diminuiu, com previsão de 1,95%.

Câmbio

A projeção da cotação do dólar para fechar 2021 teve acréscimo ante a semana anterior, de R$ 5,50 para R$ 5,56. Para 2022 também houve aumento, de R$ 5,50 para R$ 5,55.