Jovens driblam controles de segurança para cumprir prazo - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

91% dos times de TI têm sido forçados a comprometer a segurança em prol da continuidade dos negócios em um momento de ameaças crescentes, diz estudo da HP Inc. As tentativas da TI de aumentar ou atualizar medidas de segurança para os funcionários remotos frequentemente são rejeitadas.

De acordo com o estudo, isso é especialmente válido para a futura força de trabalho composta por nativos digitais, com faixa etária entre 18 e 24 anos, que se sentem cada vez mais frustrados com a segurança atrapalhando prazos, o que faz muitos deles driblarem os controles.

O novo relatório da pesquisa HP Wolf Security combina dados de uma sondagem on-line global realizada pela YouGov com 8.443 pessoas que trabalham em escritórios e foram para casa durante a pandemia e de outra pesquisa, também global, realizada pela Toluna com 1.100 profissionais tomadores de decisões da área de TI.

O estudo mostra ainda que 83% dos times de TI acham que o aumento de pessoas que trabalham em casa criou uma “bomba-relógio” em termos de violação da rede corporativa.

“O fato de os trabalhadores estarem ativamente driblando a segurança deve ser preocupante para qualquer Chief Information Security Officer (CISO) ou diretor de segurança da informação, pois é assim que violações podem surgir”, comenta Ian Pratt, chefe global de Segurança para Sistemas Pessoais da HP Inc. Segundo ele, se a segurança for muito pesada e sobrecarregar as pessoas, elas vão encontrar um jeito de romper com os procedimentos.

Os CISOs estão lidando com volume, velocidade e gravidade crescentes de ataques, comenta Joanna Burkey, CISO da HP Inc. “As equipes deles estão tendo que trabalhar sem parar para manter a empresa segura e, ao mesmo tempo, facilitar a transformação digital massiva com pouca visibilidade. “Equipes de cibersegurança não devem mais ser sobrecarregadas com o peso de proteger os negócios apenas sobre seus ombros; a segurança cibernética é uma área abrangente com a qual todo mundo precisa se envolver”, concluiu.

(Com assessoria)