Laboratório da Febraban treina 85 bancos contra crimes digitais - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

Inaugurado em setembro de 2020 pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o Laboratório de Segurança Cibernética completou em maio 70 treinamentos com cerca de 6,6 mil inscrições, todas gratuitas, com 85 bancos para prevenção e combate a crimes digitais, de um total de 114 associados da entidade, totalizando 461 horas. Vinte treinamentos foram de simulações de ameaças cibernéticas em tempo real por meio de exercícios práticos entre os participantes.

O Laboratório é o primeiro do tipo feito para o Sistema Financeiro Nacional e conta com a parceria da Accenture. Seu objetivo é a colaboração e união de forças entre as equipes dos bancos associados em ações de prevenção, identificação e combate ao crime cibernético. Além dos treinamentos, os profissionais envolvidos com o projeto também buscam constantemente soluções inovadoras e o uso tecnologias de ponta para fortalecer os sistemas e equipes de defesa das instituições financeiras. Recentemente, o Laboratório foi reinaugurado em um novo espaço em São Paulo, nas proximidades da nova sede da Febraban.

Desde sua criação, o Laboratório automatizou o envio de eventos relacionados a ameaças cibernéticas, conectando sua infraestrutura com diversos centros de segurança cibernética ao redor do mundo, e enviando informações aos respectivos centros de monitoramento dos bancos. Em 2021, foram enviados mais de 1,6 mil alertas de ameaças com informações contextualizadas das ameaças ao setor bancário ao redor do mundo.

O Laboratório também promove workshops sobre ameaças e defesas cibernéticas, além da elaboração de relatórios com análises técnicas e de impactos em sistemas financeiros ao redor do mundo. Mensalmente são distribuídos aos bancos um informe técnico com os destaques do mês, sejam de ataques noticiados, ameaças ou potenciais soluções, além de depoimentos de especialistas do meio cibernético voltados para o setor bancário.

(com assessoria)