Magnetis lança ETF de empresas de tecnologia que operam no país

Crédito: Freepik

A Magnetis, gestora de investimento digital, está lançando em parceria com o BTG Pactual e Teva Indices o fundo TECB11, negociado na B3, que reúne mais de 23 empresas do setor, como Mercado Livre, Méliuz, Locaweb, PagSeguro, Magalu, Stone e Banco Inter.

“O TECB11 segue o Índice de Ações Tech Brasil, composto por empresas do setor de software, hardware, dados, e-commerce e serviços financeiros digitais, que têm o país como seu principal mercado”, afirma Daniel Jannuzzi, sócio, especialista em investimentos da Magnetis.

Para Jannuzzi, os índices tradicionais brasileiros ainda oferecem uma baixa exposição ao setor de tecnologia, sendo dominados por empresas da “velha economia” como bancos e produtoras de commodities.

Com este ETF, a ideia é acompanhar o crescimento das companhias de tecnologia, independentemente delas estarem listadas na B3 ou em bolsas norte-americanas.

O ETF inclui tanto ações listadas na B3, como também em bolsas internacionais por meio de Brazilian Depositary Receipts (BDRs).

O investidor poderá facilmente investir nessa cesta de ações de uma só vez, sem a necessidade de operar os 23 papéis individualmente ou ter que abrir conta no exterior. “É o primeiro ETF que combina ações locais e BDRs em sua composição.” completa Jannuzzi.

O fundo terá uma taxa de administração de 0,6% e não cobrará taxa de performance. Além disso, a ideia é atuar no mercado de empréstimo de ações, gerando receita adicional para o ETF.

O administrador do fundo é o BTG Pactual e o provedor do índice é a Teva Índice. O banco Credit Suisse foi contratado para atuar como formador de mercado (market-maker) garantido ordens de compra e venda a preços adequados.

(Com assessoria)