Rafael de Paula Souza, Co-fundador e CEO da Ubots - Foto: Divulgação

Rafael de Paula Souza, Co-fundador e CEO da Ubots – Foto: Divulgação

O comércio conversacional ainda está engatinhando no país, segundo Rafael de Paulo Souza, cofundador e CEO da Ubots, startup que conecta as grandes empresas com aplicativos de mensagens. Ele acredita que será normal em um futuro próximo o consumidor entrar em uma loja física e se irritar por ter de esperar o atendente finalizar um atendimento pelo aplicativo conversacional.

Para ele o varejo por meio das grandes plataformas de marketplace tende a passar por um processo de uberização, com o aumento exponencial de vendedores autônomos abrirem sua loja online.

O CEO da Ubots foi um dos participantes do painel Retail Market Digital, realizado hoje, dia 27, no Digital Money Meeting, que foi moderado pelo presidente da ABFintechs, Diego Pérez. Segundo ele, o WhatsApp foi o aplicativo de mensagem mais usado pelas empresas do varejo durante a pandemia.

Na sua opinião, o lançamento do WhatsApp Pay no ano passado, que teve a licença e autorização do Banco Central, não gerou muito impacto no varejo. “A vendas pelo WhatsApp não é novidade, pois a ferramenta já vem sendo utilizada há muito tempo no comércio de muitas cidades brasileiras de pequeno porte”, disse.

O WhatsApp no Pix, no entanto, trouxe muita facilidade para o fluxo de venda do pequeno varejo e a expectativa agora é que acelere o conversacional no e-commerce como linha de negócio no aplicativo.

Souza não prevê no curto prazo uma consolidação do mercado varejista, que neste ano vem passando por um forte processo de fusões e aquisições. Em julho deste anos os investimentos em startups chegaram a R$ 5 bilhões, segundo a ABFintech.

“Ainda tem muita lenha para ser queimada até o mercado do varejo se consolidar, embora o cenário macroeconômico mundial somado a elevação das taxas de juros no país e a alta inflação nos Estados Unidos podem afetar o apetite dos investidores”, disse. Em julho deste anos os investimentos em startups chegaram a R$ 5 bilhões, segundo a ABFintech.