Musk negocia mais capital para compra do Twitter-credito-divulgacao

Crédito: Divulgação

Musk, dono da Tesla, entrou em negociações com grandes empresas de investimento e indivíduos milionários de forma a tomar mais  financiamento para a aquisição do Twitter. A aquisição foi acertada no mês passado entre ele e o conselho de administração da rede social no valor de US$ 44 bilhões.

Conforme afirmam especialistas, Elon Musk quer vincular menos de seu patrimônio ao negócio.

Bancos e instituições financeiras concordaram no mês passado com financiamento garantido da ordem de US$ 13 bilhões para a aquisição proposta de Musk, CEO da Tesla. O bilionário se comprometeu em fornecer mais US$ 21 bilhões  em dinheiro para a transação.

Na opinião de especialistas, Musk poderá usar o novo financiamento para reduzir sua contribuição no negócio.

O bilionário também prometeu entregar parte de suas ações da Tesla aos bancos para conseguir um empréstimo de US$ 12,5 bilhões para completar o pacote de recursos para a transação. Ele pode tentar reduzir o montante diante de interesse de novos investidores no financiamento da transação, afirmou uma das fontes.

Financiadoras da aquisição

Grandes investidores como empresas de private equity, gestoras de fundos multimercado e indivíduos ricos estão conversando com Musk sobre financiar parte da aquisição, de modo que forneceria uma participação que renda dividendos a eles.

A Apollo Global Management e Ares Management estão entre as empresas de private equity que negociam com o bilionário, segundo especialistas.

Musk ainda está se decidindo se vai dividir parte do financiamento da aquisição com investidores, afirmaram as fontes. Ele não está pretendendo atualmente levantar mais dívida para assegurar o negócio, acrescentaram as fontes.

Musk, Apollo e Ares não comentaram o assunto de imediato.

Na semana passada, Musk revelou que vendeu US$ 8,5 bilhões em ações da Tesla. Ele não disse o motivo da venda, mas investidores interpretaram a decisão como uma ferramenta para levantar recursos para a compra do Twitter.

(Com Reuters)