Gráfico que mostra movimento de ações em bolsa de valores e imagem de dólar ao fundo - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

A descoberta de uma nova variante do coronavírus, batizada de Omicrom, disparou o alarme global nesta sexta-feira, 26, quando a Europa se apressou em suspender as viagens do sul da África e os mercados de ações em ambos os lados do Atlântico sofreram suas maiores quedas em mais de um ano.

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou nesta sexta-feira com queda de 3,27%, aos 102.356 pontos. Nenhuma ação do índice registrou alta e as principais quedas foram nas ações de companhias aéreas e do setor de turismo.

O dólar fechou com alta de 0,55%, a R$ 5,59 na venda, após ter chegado a saltar 1,38% no pico da sessão, a R$ 5,64.

Estados Unidos

Em Wall Street, o Dow Jones Industrial Average caiu 2,53%, acompanhando seu pior dia desde o final de outubro de 2020, e as ações europeias tiveram seu pior dia em 17 meses, enquanto os mercados financeiros digeriam as notícias.

Europa

As ações europeias despencaram em meio a vendas generalizadas nesta sexta-feira. O índice de referência STOXX 600  encerrou 3,7% em sua pior sessão desde junho de 2020, enquanto o indicador de volatilidade para o principal mercado de ações atingiu uma alta de quase 10 meses. As perdas do dia levaram o STOXX 600 a perder 4,5% esta semana.

Entre os setores de ações europeus, viagens e lazer despencaram 8,8% em seu pior dia desde março de 2020. As ações de viagens tiveram o pior desempenho esta semana, com queda de 13,6%.

Mercado asiático

Os mercados acionários da Ásia também fecharam no vermelho. Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei fechou em baixa de 2,53%. Na China, a Bolsa de Xangai fechou em queda de 0,56% e a de Shenzhen, de menor abrangência, caiu 0,20%. Em Hong Kong, o índice Hang Seng terminou em queda de 2,67%.

(com Agência Reuters)