Open Banking do Brasil já é destaque global-Crédito foto: Divulgação

Crédito Foto: Divulgação

O Open Banking realizou 204 milhões de chamadas APIs no Brasil no mês de março. O número indica a quantidade de troca de informações entre as instituições participantes e revela um salto de 142% em relação ao mês de dezembro de 2021, quando foram identificadas 84 milhões de chamadas APIs, segundo levantamento realizado pela consultoria italiana Bip.

O número de chamadas APIs no Open Banking no país é cinco vezes superior às registradas no Reino Unido, berço global do open banking, no igual período do lançamento do compartilhamento de dados pessoais, conforme mostra a pesquisa.

“Os números confirmam a percepção de que Open Banking no Brasil tende a ser mais abrangente e avançado do que em muitos outros mercados”, afirma Luigi Iervolino, líder de Open Finance da Bip.

Segundo o especialista, houve uma forte adesão de instituições voluntárias à Fase 2 do Open Banking que prevê o compartilhamento de dados dos clientes. “Das 85 marcas cadastradas, 24 foram de marcas voluntárias e 61 obrigatórias”, observa.

O estudo realizado pela Bip mostra que 27 instituições e conglomerados estão certificados e aptos ao recebimento de dados. Entre as instituições autorizadas destacam-se, além de bancos tradicionais e digitais, as cooperativas, fintechs e instituições de pagamento.

Maior adesão é diferencial

O interesse demonstrado em receber dados evidencia outro diferencial do Brasil em relação ao Reino Unido, onde nos primeiros meses de lançamento, as instituições financeiras priorizaram o cumprimento de exigência regulatória sobre a exposição de dados.

O levantamento indica ainda que mercado financeiro e clientes finais das instituições financeiras têm sido bem receptivos ao novo ecossistema, que segundo Iervolino, promete gerar um ambiente mais competitivo e possibilitar melhores tarifas e condições, além ofertas personalizadas para os clientes.

O Open Banking, antes restrito a dados e a serviços relacionados a produtos bancários tradicionais, passou a se chamar Open Finance, abrindo para o compartilhamento de informações sobre outros serviços financeiros, como credenciamento, câmbio, investimentos, seguro e previdência.

(Com assessoria)