Crédito: Freepik

O Pix Cobrança, que permite pagamentos em datas futuras, está disponível a partir desta sexta-feira, 14, para os usuários de todo o Brasil.

Empresas ou microempreendedores poderão emitir um QR Code para transações que serão cobradas dos clientes em data futura, uma versão mais moderna do boleto bancário. Para as pessoas físicas, será mais uma alternativa de pagamento de compras e contas a prazo.

Desde o lançamento do Pix, só era possível gerar um QR Code para pagamentos imediatos. Além da possibilidade de pagar em uma data futura, a diferença para essa nova modalidade é a inclusão de mais informações além do valor a pagar, como juros, multa e descontos.

Recentemente, o Banco Central alterou o Regulamento do Pix e estabeleceu que as instituições participantes que não conseguirem proporcionar a experiência completa do Pix Cobrança no período entre 14 de maio e 30 de junho terão que, no mínimo, possibilitar a leitura do QR Code. Ou seja, passa a ser obrigatório fornecer o QR Code, inclusive em pagamentos imediatos.

“Esse é um período transitório, que dá às instituições um tempo adicional para finalizar as adequações nos sistemas. A partir de 1º de julho, todos os participantes precisam ser capazes de fazer a leitura do QR Code e possibilitar o pagamento para data futura”, informou o BC em nota.