Luis Marinho, co-Ceo da Blu                                                                                                                                            Foto: Divulgação

Começaram as movimentações entre os varejistas com a entrada em vigor da medida nº 3.952, que determina o registro de recebíveis e passa a permitir portabilidade desses créditos entre adquirentes e subadquirentes. Além de aumentar a competitividade no mercado das maquininhas, a regulamentação favorece empresários que lidam com compras parceladas e necessitam pagar altas taxas para a antecipação desses valores.

Prevista para entrar em vigor em junho deste ano, a nova regulamentação favorece a redução da inadimplência de empreendedores, que cresceu cerca de 15% no último trimestre, segundo o Banco Central. Esse aumento tem como um de seus principais ofensores a queda de faturamento ocasionada pela pandemia do novo coronavírus.

A medida permite que qualquer instituição, financeira ou não, ofereça soluções para o varejo. “Os lojistas são os principais beneficiados com a nova regra e poderão buscar opções onde possam utilizar seu saldo gerado nas vendas parceladas no cartão de créditos para obter crédito, ou simplesmente aceitar uma taxa de antecipação mais baixa”, diz Luis Marinho, co-CEO da Blu, fintech especializada em soluções para facilitar a relação entre varejistas e seus fornecedores.

Para Marinho, a mudança permite que parte do faturamento proveniente de compras, e que fica inutilizável até as datas de recebimento, torne-se capital ativo para os comerciantes. “Isso dará mais poder aquisitivo e capital de giro para os pequenos empreendedores e aumentará a competitividade em diversos setores”, diz.