Preços na indústria têm aumento de 1% em junho - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

Os preços na indústria, em junho, tiveram alta de 1% em relação a maio, desacelerando em relação aos 1,81% na passagem de abril para maio. No acumulado do ano, a inflação na indústria atingiu 10,12%, a segunda maior taxa para o mês de junho da série histórica. No acumulado em 12 meses, alta foi de 18,78%.

Os dados, divulgados nesta quinta-feira, 28, pelo IBGE, são do Índice de Preços ao Produtor (IPP), que mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, isto é, sem impostos e frete.  Das 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação pesquisadas, 15 apresentaram alta em junho.

O destaque deste mês ficou para a indústria de refino de petróleo e biocombustíveis com a maior variação (4,05%) e a maior influência: 0,52 ponto percentual (p.p.). A alta foi puxada pelos produtos derivados do petróleo, como o querosene de aviação, a gasolina e, principalmente, o óleo diesel.

“O aumento desses produtos ocorre, em parte, por conta dos maiores preços do petróleo bruto, que está com uma demanda global aquecida desde meados de 2021, mas que não está sendo acompanhada por um crescimento da oferta. Fatores como a guerra entre a Rússia e Ucrânia acabam limitando ainda mais essa oferta mundial”, explica o analista da pesquisa, Murilo Alvim. Ele comenta que o resultado da atividade ainda foi segurado por conta dos preços do álcool, que apresentaram queda no mês, consequência de uma redução na demanda pelo produto.

Outro setor que ganhou destaque foi o de alimentos, em grande medida por conta dos maiores preços do leite e seus derivados. “O grupo de laticínios, por exemplo, mostra uma variação de 14,91% no mês, sendo esse o maior resultado em toda a série nesse indicador. E essa alta é consequência do início do período de entressafra do leite, que acabou limitando uma oferta que já estava escassa devido a questões climáticas – como a seca em diversas regiões do país – e por maiores custos de produção”, ressalta o analista.

Os quatro setores com maiores variações, em termos absolutos, foram: refino de petróleo e biocombustíveis (4,05%); impressão (3,97%); indústrias extrativas (-2,89%); e alimentos (1,99%). As maiores influências ocorreram em refino de petróleo e biocombustíveis (0,52 p.p), alimentos (0,46 p.p.), indústrias extrativas (-0,17 p.p.) e metalurgia (-0,10 p.p.)

Em contraponto aos setores que impulsionaram os preços de junho para cima, a indústria extrativa sofreu queda de 2,89%, com uma variação menos intensa observada no setor nesse primeiro semestre.

Além da indústria extrativa, outra atividade com peso importante, o setor de metalurgia, apresentou queda de 1,50%. Entre as grandes categorias econômicas, todas apresentaram resultados próximos, com destaque para os Bens Intermediários (BI), categoria com maior peso no cálculo do índice e que apresentou um alta de 1,04% no mês. Já os Bens de Capital (BK), com variação de 0,98%, e os de Consumo (BC) com 0,92%, tiveram resultados um pouco abaixo da média da indústria.

(com Agência IBGE)