Mão de mulher aponta gráfico crescente

Crédito: Freepik

O mercado financeiro voltou a elevar suas projeções para a inflação este ano, desta vez de 6,56% para 6,79% ao ano. Os dados constam do relatório Focus, divulgado pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira, 2, a partir de pesquisa realizada pela autoridade monetária na semana anterior à sua publicação.

O centro da meta de inflação para este ano é de 3,75%, que prevê intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais e para menos, podendo variar entre 2,25% e 5,25%. A atual projeção do mercado está cada vez mais acima do teto do sistema de metas.

A projeção do Produto Interno Bruto (PIB) teve ligeira alta, passando de 5,29% para 5,30% de crescimento em 2021.

Para 2022, o mercado financeiro passou para 3,81% a estimativa de inflação. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,5% e será oficialmente cumprida se oscilar de 2% a 5%.

Já para a Selic, a taxa básica de juros da economia, o mercado manteve a previsão, pela segunda semana, de chegar a 7% ao fim deste ano.

Por fim, no câmbio, os economistas consultados pela autoridade monetária preveem que o dólar encerre 2021 negociado a R$ 5,10 (ante projeção anterior de R$ 5,09), e feche 2022 em R$ 5,20, sem alterações.