Raphael Salmi, head de desenvolvimento de negócios da Quod

A entrada em operação do open banking em julho começa a movimentar a indústria de crédito para atender melhor o consumidor e clientes na tomada de decisão. A parceria inédita da Quod, empresa de inteligência de mercado dos grandes bancos, com a Neurotech, especializada em soluções de Inteligência Artificial e Machine Learning, promete impactar os birôs de crédito. Em dupla, as companhias oferecem dois scores em um único produto.

O score desenvolvido em conjunto, Quod Neurotech, permite às empresas oferecerem crédito mais ajustado e com menor risco, além de ampliar a carteira de clientes. O produto inaugura uma tendência de inovação aberta baseada em soluções de dados, afirma Raphael Salmi, head de Desenvolvimento de Negócios da Quod. A Neurotech já atuava em parceria com a Quod na distribuição de produtos e a relação acabou evoluindo para o trabalho de co-criação.

As informações do cadastro positivo da Quod, com mais de 40 milhões de empresas e 110 milhões de consumidores em sua base, somadas aos dados abertos captados pelos vários robôs da Neurotech entregam um score mais apurado do perfil do consumidor.

O desenvolvimento de produtos de modelagem estatística de crédito por meio de parceria entre empresas do mesmo setor, segundo Salmi, é algo incomum em um mercado dominado por poucos e bem estabelecidos players. Em geral, cada birô de crédito desenvolve scores baseados em seus dados e com dados de seus clientes.

“Por contarem com clientes estabelecidos em suas carteiras, os birôs em geral optam pela proteção de seu negócio e não estão dispostos a dividir a receita”, diz Salmi. Para ele, a iniciativa da Quod de operar em parceria com fintechs voltadas para inovação fará com que os birôs tradicionais fomentem novas iniciativas. Aliás, players do setor como a Serasa Experian, por exemplo, adquiriu duas novas empresas, nos últimos dois meses, e a Boa Vista Serviços fez o IPO focado no desenvolvimento de parcerias.

A base de informação do cadastro positivo é composta pelos dados de bancos, concessionárias (energia, gás e água) e agora, a partir do início deste mês, das teles. “Só agora começamos a enxergar o consumidor não bancarizado”, diz.

Para as empresas se beneficiarem das informações do cadastro positivo de forma a ampliar sua carteira de crédito, os birôs enfrentaram o desafio de elaborar uma análise mais assertiva sobre os consumidores. “Antes havia uma foto do consumidor negativado, agora temos um filme com seu comportamento, o que possibilita aos clientes oferecerem melhores produtos e taxas, assim como parcelamentos mais aderentes a cada perfil de consumidor”, observa.

Open banking

Salmi acredita que a entrada em operação do open banking, que contará com o consentimento dos consumidores para compartilhar os dados, ampliará ainda mais o potencial das soluções oferecidas pelos birôs de crédito com as informações do cadastro positivo. À luz da LGPD, os birôs se posicionarão na nova plataforma como operadores de dados.

A Quod pertence aos cinco maiores bancos do país – Bradesco, Itaú-Unibanco, Santander, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal – que respondem por grande parte de sua receita. A expectativa para os próximos três anos é aumentar as oportunidades advindas dos diversos segmentos em que atua, assim como das PMEs.

 Diferente dos demais birôs, a Quod oferece uma solução aderente a cada perfil de mercado. Além de operar com diversos modelos de negócio, permitindo o cliente adquirir relatórios de crédito, bem como apenas uma informação específica, o que não é comum nos demais birôs.