Sede do Banco Central, em Brasília, vista de baixo. Crédito: Flickr BC

Sede do Banco Central, em Brasília. Crédito: Flickr BC

A rentabilidade dos bancos retornou ao nível pré-pandemia, de acordo com o Relatório de Estabilidade Financeira do primeiro semestre deste ano. O documento foi divulgado pelo Banco Central, nesta segunda-feira, 18. “A principal causa para a recuperação da rentabilidade é o menor volume de despesas com provisões. A inadimplência sob controle e a materialização de perdas aquém do esperado sugerem que não haverá alteração significativa nas despesas com provisões no curto prazo”, revela o relatório.

Junto com a melhora da rentabilidade também houve aumento do lucro. Segundo o BC, o sistema bancário registrou um lucro líquido de R$ 62 bilhões nos seis primeiros meses deste ano, o que significa 53% acima do registrado no mesmo período de 2020.

“Os resultados tendem a seguir melhorando com o avanço da vacinação e com a recuperação da atividade econômica, mas as incertezas do atual momento econômico seguem acima do usual. Uma recuperação mais lenta da atividade pode prejudicar o cenário para a rentabilidade do sistema à frente”, acrescentou o BC.

Desempenho da economia

A recuperação econômica, segundo o documento, permitiu que as empresas de capital aberto melhorassem a situação econômico-financeira e que as empresas de grande porte voltassem ao mercado de capitais. Empresas de menor porte, por sua vez, impulsionaram o crédito bancário, mesmo com o arrefecimento dos programas emergenciais de crédito. A expansão do crédito a pessoas físicas é condizente com os fundamentos econômicos e ocorre em praticamente todas as modalidades.

“O percentual de ativos problemáticos na carteira de crédito, que representa o risco de crédito materializado, reduziu levemente no primeiro semestre de 2021, devido, principalmente, ao crescimento da carteira e às repactuações”, segundo o BC.

De acordo com a autoridade monetária, a melhora na base de capital e os resultados dos testes de estresse continuam demonstrando a solidez e a resiliência do sistema bancário. Todas as instituições financeiras atendem aos requerimentos mínimos prudenciais e continuariam atendendo mesmo que considerassem apenas o capital principal, de melhor qualidade.

“Esse desempenho está em linha com a evolução positiva da economia doméstica, em um período de recuperação parcial da confiança dos agentes econômicos e de avanço da campanha de vacinação”, acrescentou o Banco Central.

Para o futuro, o BC avaliou que os fundamentos econômicos “devem ditar as perspectivas para a estabilidade financeira”. Para a instituição, “é essencial perseverar no processo de reformas para permitir uma recuperação sustentável da economia”.

“Ainda há bastante incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia. Isso porque há risco de disseminação de novas variantes do SARS-CoV-2, dificuldade para algumas cadeias produtivas obterem insumos, além de eventuais implicações da crise hídrica”, salientou.