Santander abre a temporada de balanços 1T22 - Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

O Banco Santander abre a temporada de balanços dos grande bancos na próxima semana, terça-feira 26, com a divulgação dos resultados do primeiro trimestre de 2022.

Analistas do BTG Pactual assim como do Bradesco BBI acreditam que o Santander deverá apresentar lucros de R$ 3,9 bilhões, seguindo a linha de lucros estáveis com relação ao trimestre anterior, uma vez que as provisões devem aumentar devido aos sinais de deteriorização da qualidade dos ativos.

Para analistas, o crescimento da margem financeira deverá ser inferior ao crescimento dos empréstimos já que as taxas de juros mais elevadas deverão ter um impacto negativo no custo do financiamento. Eles esperam que as taxas sofram queda no primeiro trimestre deste ano devido à sazonalidade, porém com um crescimento discreto de cerca de 5% no comparativo anual.

Com relação as despesas operacionais do Santander, segundo o Goldman Sachs, a previsão é de queda comparadas ao trimestre passado em função da sazonalidade. Porém, a previsão é de subir anualmente dado às maiores despesas com pessoal. A expectativa do Goldman é que a alíquota efetiva de impostos aumente 34,1% em relação aos 30,7% realizados no último trimestre do ano passado.

O ofereceu no início deste ano 180 dias de carência em uma nova linha de crédito criada para dar fôlego financeiro a empresas de todos os tamanhos que estejam com as contas em dia ou com atraso de até 30 dias no pagamento de empréstimos, cartão de crédito e limites da conta corrente.

A nova linha de negociação, batizada de Giro Flex, tem como foco a organização de dívidas atuais do cliente e é uma alternativa, também, para clientes PJ que têm suas contas em dia, mas que estão enfrentando dificuldades para manter o fluxo de caixa, conforme análise do Banco.

De acordo com a agenda dos balanços financeiros dos grandes bancos,  para o primeiro trimestre de 2022, o Bradesco divulgará os resultados do primeiro trimestre de 2022, no dia 5 de maio; seguido do Itaú Unibanco, 09/05; Banco do Brasil, 11/05.

(Com Reuters)