Thais Cerioni, head de marketing do SAS | Foto: Divulgação

SAS destaca a curiosidade como mola para inovação

por | 16 ago, 2021 | Branded Content, SAS

Thais Cerioni, head de marketing do SAS | Foto: Divulgação

Thais Cerioni, head de marketing do SAS | Foto: Divulgação

O SAS vem promovendo uma mudança de posicionamento por meio da primeira campanha integrada de marketing global, veiculada em 20 países e 12 idiomas. A Campanha Curiosity Forever destaca a importância da curiosidade num mundo cada vez mais regido por dados. E contempla diferente verticais – bancos, saúde, varejo, indústria, meio ambiente – que podem se beneficiar com o uso de analytic, ciência de dados e inteligência artificial. Segundo Thais Cerioni, head de marketing do SAS e gerente de comunicação para o Sul da América Latina, a o objetivo é atualizar o posicionamento do SAS, uma empresa de 45 anos, até então com uma imagem muito centrada em tecnologia, que já falava em IA antes mesmo do tema virar hype.

“A ideia é revitalizar a marca, mostrando que o SAS está mirando o futuro e o público jovem, investindo fortemente em inovação, para atrair um perfil de profissional – tanto usuário quanto funcionário – que seja curioso e esteja disposto a fazer a diferença, usando a tecnologia em prol da sociedade. A curiosidade é um skill muito importante para o desenvolvimento da inovação, para a evolução da tecnologia e o desenvolvimento de negócios. A campanha é veiculada nos principais mercados. Na América Latina, contempla o Brasil e o México, mas também tem impacto em outros países”, diz Thais.

Ela destaque que hoje em dia, a análise dos dados faz parte de diversas atividades, seja na plataforma Netflix para recomendar um filme com base no que a pessoa já assistiu ou numa compra online, quando um algoritmo recomenda um próximo produto. Já em uma transação de cartão de crédito, há a inteligência artificial identificando se a compra não é fraudulenta

“As tecnologias que o SAS desenvolve estão em toda a parte e queremos nos aproximar do público em geral, deixando isso mais claro. A campanha teve duas fases: de março a junho, mostrado como a curiosidade pode mudar o mundo. Na segunda fase, a partir de junho combinamos com a aplicação em algumas verticais: como os bancos, a manufatura, a saúde, e o governo podem usar a curiosidade e o analytic para ter negócios melhores. O SAS não é uma ciência de foguete, que fica apenas na Nasa; está no dia a dia de todas as pessoas”, completa Tais.

Ela explica que todas as tecnologias de analytics, machine learning e inteligência artificial são baseadas em dados. Tudo começa com a coleta e limpeza dos dados para aplicar inteligência sobre eles. O analytic representa a primeira camada de análise. A inteligência artificial ocorre quando se consegue colocar a máquina para fazer relações que antes eram feitas pelo cérebro humano. E que  tangencia muito com o machine learning, em que a máquina vai aprendendo com os processos que executa.

“A inteligência artificial tem outra vertente que é processamento de linguagem, como os chatbots, em que o computador consegue ler textos e conversar com uma pessoa, sem precisar de dados estruturados de 0 ou 1 e sim ou não. Entende texto, voz e imagens desestruturados e passa a funcionar mais próximo do cérebro humano. O processamento de linguagem natural, a análise de dados não estruturados e o machine learning, junto com o analytic formam a inteligência artificial. O SAS oferece a IA para o cliente usar nas áreas que ele preferir”, esclarece Thais.

A campanha vai até o final de 2022, mas pode se estender por mais tempo. O site do SAS também tem dois hotsites sobre a campanha. Um deles é voltado para o programa Data for Good, com aplicação de tecnologia voltada para o bem social. O programa incentiva o uso de dados de maneiras significativas para resolver questões humanitárias em torno da pobreza, saúde, direitos humanos, educação e meio ambiente. O outro hotsite traz cases da tecnologia em áreas de negócio.

ESG

O SAS também tem iniciativas com foco em ASG (ou ESG). Além de ajudar os clientes com suas iniciativas de negócios e necessidades sustentáveis, a empresa apoia a energia limpa e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, ao mesmo tempo que usa seu software para tratar de questões econômicas, sociais e ambientais.

Em 2020, os principais feitos ambientais do SAS incluem:

  • Comprometimento com a meta de emissões de carbono zero até 2050.
  • Envio das metas de redução de emissões de 2025 e 2030 à Science Based Targets (SBTi) para revisão.
  • As emissões do SAS em todos os escopos foram 39,5% mais baixas do que as apresentadas para a SBTi em 2018.
  • Redução das emissões globais em todos os escopos em 37,7% em 2020 de 107.267 para 66.875 milhões de toneladas (MtCO2e).
  • Atingiu a meta de intensidade de uso de energia de 40% até 2025 para edifícios de escritórios – uma melhoria de 46% no ano base.
  • Atingiu a meta de intensidade de uso de carbono de 50% até 2025 para edifícios de escritórios – uma melhoria de 56% no ano base.
  • Desviou 50% dos resíduos operacionais e de construção de aterros em todo o mundo.
  • Obteve as certificações Energy Star para 11 edifícios.
  • Gerou 3,8 milhões de kWh de energia limpa e renovável a partir de sistemas solares instalados em telhados e no solo.

Já a iniciativa de inovação social do SAS trabalha para encontrar maneiras criativas de acelerar o progresso global e mover o mundo em direção a um futuro mais sustentável.